Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Como você me vê?

A arte milenar da atuação despida da glamourização

Desde que Téspis, munido de uma máscara e vestindo uma túnica apresentou-se na Grande Dionisíaca da Grécia Antiga interpretando o Deus Dionísio e destacando-se do coro, o termo hipócrates veio ao mundo para definir o que chamamos de ator – aquele que domina a arte milenar da interpretação. Convenhamos que o ofício sofreu transformações ao longo dos séculos – uma vez à margem da sociedade a profissão já foi comparada a prostituição, e, só nos anos 80 foi legalizada, com carteira assinada e demais direitos trabalhistas. A glamourização desse ofício trouxe, ao olhar do público leigo e aspirante, a ideia de que o ator vive em meio a regalias, fama e fortuna. Em pleno 2018, para desmitificar essa ilusão chega ao circuito de cinemas o documentário “Como você me vê?” de Felipe Bond.

Logo nas primeiras cenas fica clara a principal proposta do projeto: expor os bastidores – com a revelação das câmeras, da equipe, da preparação de quem vai ser entrevistado, mostrando todo o esforço por trás de fazer cinema. As entrevistas que vão se intercalando, por sua vez, desnudam a arte do ator – as intervenções da própria produção são mais presentes nos minutos iniciais e reaparecem esporadicamente ao longo do documentário para delinear a verdadeira intenção do diretor. Tudo isso acompanhado por uma trilha magistral que de forma discreta ambienta todo o cenário.

As entrevistas são alinhadas de forma a colocar em sequência discursos coerentes entre si – ainda que cada fala seja bastante individual – fazendo com que as subjetividades estejam ali falando de assuntos tão universais para o meio – as inseguranças, instabilidades e outros sentimentos recorrentes acerca da profissão. Dentre as falas o público é apresentado desde a atores com carreiras sólidas e reconhecidas como: Cassia Kis, Osmar Prado, Letícia Sabatella, Gracindo Júnior, Zé Celso e Stênio Garcia, até aqueles que precisam de alternativas paralelas à arte para prover seu sustento – como Marília Coelho que além de atriz é diarista e Mc, Carlos Granda que vira noites adentro dirigindo um táxi e, pasmem, o próprio Tonico Pereira que, surpreendentemente dirige um negócio de camisetas para suportar os momentos de “vacas magras” –  Trazer esta multiplicidade de estilos de vida e experiências com o ofício é de uma riqueza inigualável ao documentário, faz com que ele chegue ao X da questão – a nobreza de atuar com os pés bem fincados no chão.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O requinte poético está presente – afinal é impossível tratar de uma arte tão milenar quanto o teatro e não trazer à tona um certo tom de adulação – de uma forma completamente à serviço das verdadeira intenções de Felipe Bond. Júlio Adrião é responsável por compor o prólogo com o texto de Plínio Marcos sobre atores e ao longo do filme o público é agraciado com passagens do seu premiado monólogo: “A descoberta das Américas” que lhe rendeu o Shell de Melhor Ator. Além disso, vários artistas, trazem falas lúdicas – como Matheus Nachtergaele, Cassia Kis e especialmente Gracindo Júnior e seus filhos, Gabriel e Pedro, também atores, declamando um texto que o seu avô Paulo Gracindo encenava. Porém o objetivo principal é o diálogo direto, informal e profundamente realista para com quem assiste – trazer à tona o que significa ser ator e artista num país que tanto subjuga a cultura como o Brasil. Entender que não existe uma linha de chegada como o horário nobre e sim que teatro se trata de uma arte artesanal, contínua, intensa e ininterrupta.

Já disse Plínio Marcos: “Os atores têm esse dom. Eles têm o talento de atingir as pessoas nos pontos onde não existem defesas. Os atores, eles, e não os diretores e autores, têm esse dom. Por isso o artista do teatro é o ator.” – e assistimos pela tela grande justamente ás fraquezas destes atores – seus pontos fracos, desnudos e indefesos. Como o próprio diretor alertou antes de apresentar sua obra: “É um longa longo”  – porém isso não interfere em nada à sua apreciação. O espectador mal sente o tempo passar e ainda sai da sala de cinema querendo mais. Trata-se de uma verdadeira aula para o ator, não ator, aspirante, profissional, amador, enfim todos. Em 2017 o filme acumulou alguns prêmios como o de Melhor Documentário no FICA.VC e Melhor Roteiro no FestCine Maracanaú. Está em cartaz no circuito Estação e – como em toda produção nacional – é importante que seja assistido nas primeiras semanas. O conselho é correr para os cinemas para desfrutar de um verdadeiro espetáculo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Por Rayza Noiá

Reader Rating7 Votes
8.3
10
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Entrevistas

Infelizmente, a violência faz parte da vida cotidiana do brasileiro, especialmente daqueles que vivem nos grandes centros urbanos. Na série documental “Relatos do Front...

Crítica

Paul Singer faleceu em abril de 2018, alguns meses antes de Jair Bolsonaro vencer as eleições e se tornar o trigésimo oitavo presidente do...

Filmes

Documentário dirigido por Claudio Manoel e Micael Langer traz histórias da vida do apresentador pouco conhecidas do público A história de Abelardo Barbosa, um...

Séries/TV

Na última sexta (22/11) foi ao ar no Canal Brasil, o quinto e último episódio da série “Toda Forma de Amor”, dirigida por Bruno...

Advertisement