Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Manifesto

Um verdadeiro tapa na cara da sociedade

Como dizia Satre: “O inferno são os outros”! Ironia essa que circunda a sociedade dia após dia, desde tempos imemoriais. E com o advento da tecnologia, isso não só aumentou como ganhou proporções inimagináveis. A cada olhar, mensagem trocada, ou conversa direta, o ser humano é atravessado por sua própria espécie com algumas das armas mais mortais que existem atualmente: o julgamento precipitado e as falsas ideologias que absorvem a humanidade de pouco a pouco. E, no fundo, sejamos honestos, poucos são aqueles com coragem de assumir a culpa.

Escancarando algumas verdades que acertam o peito do público como facas afiadas, vem chegando nos cinemas uma obra necessária, urgente e enfática. “Manifesto”, como o próprio nome incita, levanta questões sobre a arte e o poder que essa exerce sobre a humanidade – contudo, não deixa de lado um importante debate sobre a nação como um todo. Seus pensamentos, emoções, crenças, relações, bem como a ignorância que insiste em prevalecer em muitos lugares e cabeças. Tudo é esmiuçado de forma fria, sincera e por vezes poética.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Na trama, acompanhamos a atriz Cate Blanchet em um dos maiores desafios de sua carreira: dar vida a 13 personagens que não interagem, necessariamente, entre si, mas não deixam de estar presentes – mesmo que involuntariamente – na vida do outro. Tudo isso para responder questões artísticas, levantadas em diversas épocas, que batem de frente com a sociedade contemporânea. através de significativas passagens, bem como um olhar crítico, somos levados a explorar algumas das mais inovadoras e artísticas declarações do século XX. Enquanto o tal manifesto é explicitado, de forma bastante persuasiva, assinalando os motivos de cada palavra ali pronunciada, somos convidados a conhecer o ser humano com outros olhos. Em poucos instantes, adentramos a vida de nosso semelhante sem pedir licença e naturalmente percebemos que julgamos ao tempo que somos julgados. Sem ao menos uma razão suficiente e/ou interesse que corrobore tal perspectiva.

A produção é simples, porém requintada. Não necessita de abusos tecnológicos para segurar o público e esse acerto faz completa diferença no resultado final. O fato de ser toda trabalhada em cima da estética de uma propaganda de rua, traz uma sensação de estarmos assistindo o filme através de gritantes cartazes revolucionários e políticos.

O impecável roteiro de Julian Rosefeldt, nos segura ferozmente na cadeira. Suas palavras vociferam na mente do espectador causando inúmeras reflexões, sobre situações artísticas, pessoais e o mundo em si. O roteirista teve o cuidado de não deixar o seu texto cair no dramalhão óbvio, muito comum nesse tipo de filme, pontuando o humor (que está acostado no sarcasmo) de forma correta, enquanto o drama caminha levemente pelos parâmetros apresentados através das ações propostas.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Julian Rosefeldt também é responsável pela direção, e faz isso de forma elegante. Bem como a acurada fotografia de Christoph Krauss e o deslumbrante design de produção, que convergem de forma impressionante. É normal termos uma fiel ligação dessas áreas no cinema, mas nesse caso é algo descomunal. A tela se transforma em uma grande pintura a ser ponderada. Em cada canto temos algo a ser apreciado que dialoga com o restante do contexto. As cores, trabalhadas de forma fria, nos entregam um aspecto modorrento – claramente elucidado por deslumbrantes planos abertos que implicam a imensidão de lugar bonito e limpo, tão quanto o vazio que penetra a alma daqueles ali presentes. Em paralelo, a atmosfera esquenta em situações mais fechadas, capazes de provocar certa aproximação. E aqui, certos movimentos de câmera causam o ardor necessário.

Todo trabalho da técnica é correspondido sublimemente por uma admirável atuação de Cate Blanchet, que nos encanta em cada uma de suas cenas e personas adotadas. É notório sua cuidadosa construção de identidade para cada papel interpretado. Os gestos psicológicos, que vão desde um tremer de lábios a manias de mexer no cabelo, à diferença de idade ou sexo – que é facilmente constatada por expressões plausíveis e magnéticas.

A quase inexistente trilha sonora, que surge de forma sorrateira, pincela de vez os cantos que carecem de ajustes minimalistas e acerta em cheio a trama que vem sendo um dos grandes presentes recebidos pelo cinema esse ano.

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Manifesto” não é um filme comum, desenvolvido para todos os públicos, mas é uma obra de arte indispensável para vida de todos. Trata-se de uma crítica construtiva sobre nossos princípios e intenções. Sobre quem realmente somos, queremos e podemos ser. Trata-se de uma análise profunda sobre ser e agir como humano.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Produção
9.5
Roteiro
9.5
Direção
9.5
Fotografia
9.5
Design de produção
9.5
Elenco
9.5
Reader Rating1 Vote
10
9.5
Written By

Daniel Gravelli é um brazuca que parle français e roda uns filmes por aí. Apaixonado pelos universos da escrita e da atuação, tem um caso com o teatro e morre de amores pelo cinema. Fotógrafo e crítico nas horas vagas, gosta de cozinhar, apreciar um bom vinho e trocar ideias interessantes.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Chris Evans aproveitou a repercussão do vazamento de seu nude para pedir que as pessoas votem nas próximas eleições norte-americanas, que acontecem em 3...

Crítica

A atual situação degradante da política e da sociedade brasileira teve início em 2013 quando as manifestações de rua deram o pontapé inicial para...

Filmes

Ken Loach, Costa-Gavras e Kleber Mendonza Filho fazem filmes de contestação Em tempos obscuros como os que estamos vivendo atualmente se tornou comum o...

Séries/TV

Da pandemia do coronavírus às eleições presidenciais e crises migratórias, os apresentadores John Oliver e Gregório Duvivier têm muito a dizer. Os dois têm...

Advertisement