Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: A Origem do Dragão

<A target="_blank" href="https://woomagazine.com.br/critica-origem-do-dragao/" >Crítica: A Origem do Dragão</A>

Ator, diretor, argumentista e produtor, Bruce Lee marcou uma geração. Com a grande visibilidade de filmes como “O Dragão Chinês” (The Big Boss, 1971), “A Fúria do Dragão” (Fist of Fury ou The Chinese Connection, 1972), “Operação Dragão” (Enter the Dragon, 1973) e “Jogo da Morte” (Game of Death, 1978), o talentoso sino-americano ajudou a introduzir no Ocidente as artes marciais. Nem mesmo a sua morte prematura em 1973, com apenas 32 anos, interrompeu seu impacto na cultura popular.

Nas décadas seguintes ao falecimento, cinebiografias e documentários relembraram a trajetória de Lee. Em “Dragão: A História de Bruce Lee” (Dragon: The Bruce Lee Story, 1993), por exemplo, o cineasta Rob Cohen reencena a vida da estrela que dá nome ao filme. Já “Bruce Lee: A Jornada de um Guerreiro” (Bruce Lee: A Warrior’s Journey, 2000), de John Little, reúne entrevistas, filmagens de bastidores e sequências de ação para construir um complexo retrato da personagem. A Origem do Dragão (Birth of the Dragon, 2016) poderia facilmente ser encaixado por engano nesse rol de produções biográficas. O longa-metragem, contudo, afasta-se radicalmente dos demais títulos mencionados.

Ao contrário do indicado pelo título e do anunciado pela publicidade, não se trata de um filme sobre Bruce Lee. Ainda que a cartela inicial explicite inspiração na luta real com Wong Jack Man (Xia Yu), o roteiro, escrito por Stephen J. Rivele e Christopher Wilkinson – indicados ao Oscar por “Nixon” (1995) -, relega o evento a segundo plano e gira em torno do ficcional Steve McKee (Billy Magnussen, foto abaixo) e de sua batalha para libertar a amada Xiulan (Jingjing Qu) de uma facção criminosa. Se um dos grandes méritos da carreira de Lee consistiu em mudar a imagem do homem asiático no cinema norte-americano, aqui a personagem interpretada por Philip Ng torna-se coadjuvante de sua própria história.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Não bastassem os evidentes problemas em apropriar-se da cultura oriental de forma acessória, a produção dirigida por George Nolfi falha ainda em questões técnicas. O montador Joel Viertel, com quem o cineasta havia trabalhado anteriormente em “Os Agentes do Destino” (The Adjustment Bureau, 2011), compromete o competente trabalho do fotógrafo Amir Mokri (O Homem de Aço, Transformers: A Era da Extinção) ao acelerar os cortes. Viertel não respeita a duração dos planos e acaba por criar uma desconexão entre eles. A situação se agrava com a trilha musical de Reza Safinia e H. Scott Salinas, que oscila de um tom a outro para induzir os sentimentos do espectador e acentua assim a desarmonia entre as cenas.

As atuações tampouco contribuem para elevar a qualidade do longa-metragem. Enquanto Philip Ng limita-se à mímese, como se a figura histórica de Bruce Lee pudesse ser reduzida a seus maneirismos, Billy Magnussen fracassa na tentativa de criar uma personagem interessante ou convincente. Um dos poucos sucessos de Nolfi manifesta-se nas sequências de ação. O trabalho conjunto com o coreógrafo Corey Yuen, colaborador frequente de Jet Li, resulta em planos visualmente atraentes, bem executados pelo elenco e pela equipe de dublês.

Por um lado, “A Origem do Dragão” jamais consegue compreender ao longo de seus 95 minutos a filosofia por trás da luta que apresenta. Trata-se, afinal, de uma visão estrangeira, prejudicada ainda por uma montagem acelerada, atuações caricatas e diálogos mecânicos. Por outro, no entanto, ao menos alcança uma vivacidade em seus momentos finais graças à sincronia dos corpos em conflito. Talvez apenas neles consiga recompensar a atenção do espectador, antes frustrado com a desinteressante história de Steve McKee.

Advertisement. Scroll to continue reading.

*O filme estreia dia 28, quinta-feira.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating7 Votes
3.5
2.5
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Crítica

O personagem Predador foi sendo desgastado com o passar dos anos. Após os clássicos filmes de 1987 e 1990, estrelados por Arnold Schwarzenegger e...

Crítica

Momentos loucos em um “Trem-Bala” sangrento e divertido Em poucas palavras podemos dizer que “Trem-Bala” é o caos materializado. Esteticamente o filme traz ótimas...

Filmes

Amy Winehouse foi uma artista brilhante, com uma história de vida que daria um filme emocionante, mas só depois de 11 anos de sua...

Crítica

Em 1982, Tom Cruise pilotou caças F14 supervelozes no clássico pop “Top Gun”. Em 2022, Tom Cruise pilota caças F18 hiper velozes no aguardado...

Advertisement