Quem via Daniela Arbex na Bienal do Livro deste ano, não imaginava que a mineira de sorriso largo estava correndo contra o tempo, por conta de sua agenda de compromissos. O motivo? “Todo dia a mesma noite”, seu mais recente trabalho lançado pela Editora Intrínseca,que aborda o drama vivido por familiares e vítimas do incêndio da boate Kiss, em Santa Maria, ocorrido em 2013.

Jornalista por formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Arbex foi repórter especial por 23 anos na Tribuna de Minas, um dos jornais mais tradicionais do estado. Até que em 2013, lançou “Holocausto Brasileiro”, que além de ter ganho prêmios importantíssimos do gênero, como o Jabuti de “segundo melhor livro-reportagem” (2014), foi adaptado para as telas, em um documentário produzido pela HBO.

Dois anos depois, lançou “Cova 312”, que aborda fatos sobre a ditadura militar brasileira, e que lhe rendeu outro Jabuti na mesma categoria que seu antecessor. Já em 2017, lançou “Todo dia a mesma noite” e desde então, participa de encontros e rodas de conversa sobre a temática da obra. E, claro, a Woo! Magazine conseguiu uma brechinha na agenda da escritora para falar sobre sua carreira. Confira na íntegra: