Connect with us

Hi, what are you looking for?

Música

Duas horas arrebatadoras com Roger Hodgson no Metropolitan

Uma noite, um lendário guitarrista e um público extasiado. Esse foi o balanço da última noite de domingo (26/03) no Rio de Janeiro.

O Metropolitan recebeu o ex-vocalista da banda britânica Supertramp, banda de pop rock e mesclado com rock progressivo. A marca registrada da banda é por responsabilidade da habilidade vocal de Roger. Capaz de atingir altos agudos sem destoar totalmente do seu tom natural.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O que poderíamos esperar de um domingo à noite? Um músico lendário, uma banda incrível e um palco que complementava toda energia presente nas músicas de Hodgson. O pacote estava completo. Porém não havia algo que preparasse o público para as duas horas seguintes. Hodgson subiu ao palco sorrindo junto à sua banda saudando o público da melhor forma, com música! A apresentação teve seu início com “Take The Long Way Home” o público assimilou e respondeu rapidamente.

Roger subiu ao palco com uma proposta “a vida tem muitos momentos difíceis” disse Roger, “então durante essas duas horas, vamos esquecer tudo!”. E não deu outra. A comunicação entre artista-público fluiu de maneira raramente vista. Roger não deixou de frisar o quanto estava feliz por estar no Brasil e muito triste por este ter sido o último show de sua turnê por aqui. Passou por Belo Horizonte, São Paulo, Porto Alegre, Florianópolis, Vitória, Brasília. Encerrando com chave de ouro no Metropolitan.

O palco já estava montado e visível pra quem se acomodasse na casa. Muitos instrumentos, palco simetricamente arrumado, umas folhas de palmeiras e Roger Hodgson escrito ao fundo. Não posso afirmar com certeza se foi positivo deixar o palco amostra antes do show, pois aquela quantidade de instrumentos só poderia significar um espetáculo musical de primeira.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Foto: Divulgação

Roger hora tocava seu piano elétrico, hora seu piano de calda preto, hora um de seus violões, hora uma guitarra e o vocal continuou sendo exposto com maestria. Cantou sucessos que fizeram o público, de todas as idades, levantarem e dançarem, mesmo com o espaço tomado por poltronas para as pessoas se acomodarem. Mas era mais cômodo aproveitar o máximo do show, com palmas, danças e cantos, como Hodgson nos falou no início.

“Dreamer”, “Give A Little Bit”, “The Logical Song”, “Death And A Zoo”, “School”, “Breakfast In America” e muitos outros sucessos compostos quando ainda fazia parte da Supertramp, bem como sucessos de sua carreira solo.

A musicalidade transbordou pela casa. Roger Hodgson veio acompanhado de músicos do mais alto escalão, como o Aaron, por exemplo. Que simplesmente estava envolto à um saxofone baixo, um saxofone alto, clarinete, gaita, samplers, além de fazer backing vocal, pandeiro e outros instrumentos usados pontualmente em algumas músicas. O público ficou estarrecido com a grandiosidade de Aaron e gritava da platéia “very good!!!” quando Roger o apresentava para o público.

Outro espetáculo a parte, se deu quando o também pianista Kevin Adamson, sentou-se ao piano de calda de Hodgson enquanto o mesmo continuou no elétrico. O dois duelaram nas teclas por alguns minutos e foram solos atrás de solos e ninguém mais conseguia saber quem era o pianista que tocava “melhor”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Os artistas, principalmente estrangeiros,  têm a capacidade e um enorme poder de serem empáticos quando em apresentações fora do país de origem. Roger não deixou de dizer que está ciente dos problemas que nós brasileiros estamos sofrendo e com isso complementou “continuem fortes, eu acho que vocês tem muito à oferecer”.

Amor a música, simpatia, pensamentos positivos, alegria, dança, empatia foram as marcas deixadas pelo cantor e instrumentista no Brasil.

Hodgson, visivelmente, relutou em terminar o show. E para conseguir fazer isso da melhor forma possível, ele simplesmente pediu ao público que escolhesse qual seria sua última canção e a escolhida foi “The Logical Song”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Além da acústica maravilhosa da casa de show, o palco também estava incrível. Veja em nossa galeria.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Por Letycia Miranda

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

3 Comments

3 Comments

  1. Eleanor

    28 de março de 2017 at 22:17

    Maravilhoso! Melhor show do mundo! – https://www.youtube.com/watch?v=1fVQ2Rq2U0o

  2. max hager

    30 de março de 2017 at 22:57

    Fidedigna reportagem… extraordinario show.. quem nao foi perdeu… so estou triste, pois um amigo ficou de mandar as fotos pois meu celular a batteria morreu, e fiquei na mao

    • Letycia Miranda

      30 de março de 2017 at 23:04

      Muito obrigada Max. O show de fato será inesquecível. Espero que seu amigo te mande as fotos, estava tudo lindo.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Música

“E ‘x’, o quê que é?!” Na ultima sexta, 28 de abril, o Metropolitan foi palco de uma uma noite mágica e nostálgica. Tudo...

Música

Houve samba no Metropolitan. Samba de primeira com Maria Rita e Diogo Nogueira. O lugar já fervia antes do horário previsto para o show....

Música

No sábado, dia 08 de abril, a Banda “Natiruts” foi sucesso de bilheteria e lotou o Metropolitan, no Rio de Janeiro. Com ingressos esgotados...

Música

A cantora Marília Mendonça se apresentará na sexta, dia 7, no Metropolitan. Símbolo do “feminejo“, estilo de música que reúne mulheres como cantoras de...

Advertisement