Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Belle

"Belle". Imagem/Divulgação - Trailer oficial.

O queridinho franco-nipônico chegou aos cinemas brasileiros nesse dia 13. “Belle“, que quando estreou no festival de Cannes foi aplaudido por catorze minutos, é uma refrescante releitura de A Bela e a Fera em uma terra em que tudo é possível. Ao longo de duas horas e quatro de uma mágica viagem para o futuro, o telespectador de todas as idades há de encontrar o seu próprio motivo para se encantar com o deslumbre do Mundo de U.

Poster oficial. Imagem/Divulgação – Paris Filmes.

Talvez explicar sobre o que Belle é não seja uma tarefa simples à primeira vista. Se para os ouvidos brasileiros o título talvez não ressoe tanta familiaridade, para quem cresceu vendo os clássicos da Disney em inglês — ou francês — Belle é uma clara referência ao conto “A Bela e a Fera”, também com paralelismo no título do longa em japonês “O dragão e a princesa sardenta”. Então, eis mais uma adaptação da fórmula que já foi repetida à exaustão, sim? Definitivamente não.

As referências ao conto aparecem como motifs mais ou menos sutis, e como a audiência há de perceber, o romance definitivamente não é o foco dessa fábula ultramoderna. Suzu, uma garota sem quaisquer atrativos que a retire da assustadora mediocridade, através de um convite embarca para “U”, um ambiente virtual onde cada pessoa assume um avatar único e pode refazer sua vida — até mesmo mudar o mundo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Deve-se dizer que o filme adota uma postura mista diante desse “metaverso”. Em sua construção de mundo não há necessidade de uma polícia virtual — e como resposta há a presença de um grupo paramilitar — também não há claras hierarquias e o telespectador deve preencher essas lacunas com a suspensão da descrença. Por outro lado, Belle opta por problematizar a individualidade a despeito do coletivo, sobre a alienação do sujeito e o poder de uma voz na multidão, tal como a velha discussão do mito da caverna.

Se não há algo que se pode apontar um dedo para Belle diz respeito a sua produção artística. Os cenários e design de personagens de encher os olhos são uma amostra de horas de trabalho primoroso pelos detalhes, em um estilo que mistura o tradicional traço de anime com uma clara intervenção ocidental. Soma-se a isso a trilha sonora que é um show a parte, muito eficiente em cativar o público — é de alguma forma curioso que “Lend me your voice” não tenha recebido uma indicação para o Academy Awards.

Não seria de se estranhar que o tempo voe enquanto o filme esteja passando: as duas horas são de modo geral muito bem aproveitadas, sem exageros subestimando a inteligência do público e tampouco uma trama apressada; ao menos nos primeiros três quartos do longa. Sem revelações de enredo, o que pode ser dito do final é que embora condizente com a mensagem do filme, exige muita boa vontade do público mais cético pela forma como é conduzido, inclusive com um questionável Deus ex machina — ou ex Belle, sendo mais preciso.

Advertisement. Scroll to continue reading.

São vários os trabalhos de ficção que tentam captar os limites da essência humana frente a inovações tecnológicas, como “Eu Robô” e até “Avatar” (2009). Belle parece ser mais um desses casos, mas ao invés de simplesmente focar na tecnologia, esse novo universo, completamente lúdico, que surge a partir da mente humana no digital, poderia ser palco para recriar qualquer clássico super espirituosamente, e por não se exaurir em si mesmo torna o filme especial dentre outras tentativas de retratar um futuro hiperconectado — e qual seria mesmo efetividade real dessas conexões, ao fim do dia? — e embora seja cedo para dizer, não parece um conto de fadas que há de ficar datado nos próximos anos, diferente da produção de James Cameron acima citada.

No Brasil recebendo a classificação indicativa de doze anos, Belle é uma ótima pedida para passar uma tarde de cinema com toda a família, amigos ou interesse romântico. Ainda que com seus problemas pontuais, mesmo no tratamento de uma específica questão social, o enredo relativamente simples dá margem para que o espectador tire suas próprias conclusões sobre diversas minúcias da trama, além de fascinar o público integralmente por duas horas com um pouco do melhor que a indústria da animação ofereceu nos últimos anos.

Trailer oficial. Vídeo/Reprodução – Paris Filmes.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Crítica: Belle
Sinopse
Suzu é uma colegial comum sem atrativos aparentes. Porém, quando acessa o mundo virtual de “U”, transforma-se na popular cantora “Belle”. A garota terá que deixar sua timidez de lado e soltar a voz para resolver o mistério do surgimento de um delinquente sombrio, a “Fera”, enquanto tem de aprender a aceitar quem é de verdade.
Prós
Visuais deslumbrantes, animação única e encantadora. Frames muito bem trabalhados.
Trilha sonora contagiante.
Acessível para todos os públicos; temáticas interessantes para vários gostos.
Leve e espirituoso, consistente na própria mensagem.
Contras
Resolução para questão de violência doméstica é questionável.
O último quarto do filme é relativamente apressado.
Trama simples, pode não ser um atrativo para quem procura algo que “invente a roda”.
Deus ex machina.
3.6
Nota
Written By

Linguista em formação e PhD em shoujo de baixa qualidade. Obcecado por cultura pop e leituras clichê; ainda por descobrir que talvez Kakegurui não seja um traço de personalidade.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Advertisement
Advertisement

Você também pode ler...

Animes

O poder do mito na Cultura Pop ocidental e oriental Talvez o termo jornada do herói já tenha esbarrado em seu caminho e, embora...

Animes

Como comover o público com uma história que todos conhecem? Em 427 a.C., Sófocles aplacou a audiência do festival ateniense à Dionísio, apresentando a...

Animes

Ah, que fã de anime não ama um bom shounen? A cada ano, o otaku tradicional já se viu perdido, assistindo ou mesmo participando...

Animes

História será uma sequência direta do mangá Após nove anos do lançamento do último capítulo do anime e quase meia década da finalização do...

Advertisement