Connect with us

Hi, what are you looking for?

Literatura

Resenha: Bellini e o Demônio, de Tony Bellotto

“Há silêncios que parecem chumbo. ”

O já conhecido e aclamado detetive Remo Bellini está de volta. E nesse novo mistério, além de lidar com os clientes esquisitões e cheios de pompas, o detetive tem que defrontar a si mesmo em questões que mais ninguém pode entender. “Bellini e o Demônio” é a nossa resenha de hoje. Tupiniquim até não acabar mais!

Já mencionamos nessa coluna, mais de uma vez por sinal, que quando se trata de consumir literatura feita no Brasil, parece que não obtemos muito sucesso. Compramos e usamos com louvor a síndrome do primo pobre, e com isso, o que é feito aqui dentro é quase sempre descartável. O que é uma lástima, visto que temos nomes realmente bons dentro do nosso mercado literário.

Tony Belloto mostra que não é só de música que se faz um titã. E depois de simplesmente fazer com que todos conhecessem o detetive Remo Bellini em “Bellini e a Esfinge”, ele volta com essa dobradinha do investigador que, agora, está na crise da meia idade, e ainda tem de resolver casos que vão muito além da sua alçada.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Nesse novo mistério, BellinI começa uma investigação criteriosa atrás de um manuscrito de um livro raríssimo. Essa investigação o leva ao Rio de Janeiro junto a outro detetive americano. Afinal, achar a obra não era só uma questão de princípios. Havia muito dinheiro envolvido também. No Rio, nosso investigador se coloca em situações bem constrangedoras. Mas o que podemos perceber é que ele está na sua melhor forma e que muita coisa ainda está para acontecer.

A primeira parte de “Bellini e o Demônio” é um pouco arrastada. Afinal, pelo seu título, esperamos crimes realmente estarrecedores. Mas quando nos deparamos com a busca por um manuscrito raro, de um escritor supostamente polêmico, damos uma certa desanimada, já que criamos expectativas em cima do que na verdade está só na nossa cabeça.

No entanto, para quem consegue ir além e chegar na segunda parte, percebe que essa de “procurar um livro raro” serve de plano de fundo para um mistério muito maior. O que, definitivamente, faz com que Tony Bellotto mostre aos descrentes que dizem “que no Brasil só se faz porcaria”, que não é bem assim que a banda toca.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Logo nas primeiras páginas somos apresentados a um crime, aparentemente, passional, estampados nas principais manchetes policiais de São Paulo. Tal crime deixa Bellini um tanto desconfortável, e como um mantra bem mórbido, ele fica passando e repassando mentalmente aquela notícia. Mas aí, como bom escritor de mistérios, Bellotto manda o detetive para o Rio de Janeiro e nós, leitores distraídos esquecemos o que aconteceu no começo.

E são nessas movimentações propositais à memória do leitor, que vamos nos envolvendo mais e mais dentro da obra. E assim, quando retorna a São Paulo, Bellini é procurado por Gala. Uma repórter que quer fazer o seu nome a qualquer custo. E adivinhem qual é o crime que ela quer que o detetive investigue? Pois é… assim começa uma nova e inebriante caçada à verdade.

Viver uma vida dupla não é fácil. Viver das artes, muito menos. Mas mesmo com tantas intempéries, o guitarrista da banda Titãs resolveu encarar mais esse desafio e colocou sua veia artística para voos muito maiores. Apaixonado por gêneros policiais, Tony Bellotto disse a que veio. E Remo Bellini – ele odeia ser chamado de Remo – não só conquistou leitores, como também expectadores, visto que “Bellini e a Esfinge” e “Bellini e o Demônio” foram parar nas telinhas de cinema.

Advertisement. Scroll to continue reading.

No entanto, atenção (!), para àqueles que preferem ver o filme ao ler o livro, fica um adendo. “Bellini e o Demônio” nos cinemas foi completamente modificado. Ou seja, se você quer saber o que aconteceu no livro, leia o livro (!!!),ou então pode se decepcionar um pouquinho. E nós aqui não gostamos de dizer “nós avisamos”.

Do mais, é uma obra com apenas 264 páginas, o que faz com que seja de leitura rápida e aprazível. Um prato cheio para quem gosta do gênero. E a editora é a Companhia das Letras. Então, para você que estava aí pensando na sua próxima leitura, que tal dar chance a uma vinda da Terra Brasilis?

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating1 Vote
5.2
7.5
Written By

Érica nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, mas deveria ter nascido nesses lugares onde se conversa com plantas, energiza-se cristais e incenso não é só pra dar cheirinho na casa. Letrista na alma, e essa bem... é grande demais por corpinho de 1,55 que a abriga. Pisciana com ascendente E lua em câncer. Chora quando está feliz, triste, com raiva e até mesmo com dúvida. Ah! É uma nefelibata sem cura.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Música

O Palco Sunset do Rock in Rio tem a proposta de promover encontros inusitados. E foi exatamente o que fizeram os Titãs. Além disso,...

Música

Uma das maiores bandas de Rock do Brasil subirá ao Palco Sunset em um encontro inesquecível. O grupo Titãs tocará no dia 28 de...

Música

O Rio de Janeiro ainda vivia bons momentos em 2011. A crise que se instauraria inicialmente em 2013 e se agravaria nos anos seguintes,...

Música

Em 1985, a primeira edição do Rock in Rio provou que um grande festival de música, de alto nível e com os principais nomes da...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.