“Quando tiver dúvida, fique em silêncio.”

(Alice no País das Maravilhas)

“Agosto, mês de desgosto”. Bom, pelo menos é isso que o ditado popular diz. Mas não aqui na Woo!. Sem feriados e se estendendo mais do que necessário – chega o natal e agosto não acaba – esse é um mês longo por natureza. Por isso, e talvez por causa disso, é que resolvemos deixá-lo mais leve para você. Por favor, sente-se em um lugar confortável, respire, relaxe; e deixe a magia acontecer.

Preparamos um roteiro mais que especial. Você, nobre leitor, será convidado a entrar no País das Maravilhas. Uma viagem incrível e bem diferente daquela que estamos acostumados a ver nos filmes e nos livros de Lewis Carroll. Em parceria com a Editora Novo Conceito, arrumamos as malas, apertamos os cintos e lá vamos nós.

“O lado mais sombrio” é nossa parada. A escritora A.G. Howard resolveu pôr no papel a versão dela de tudo que aconteceu com a Alice após ela ter caído na toca do coelho. Assim, como se sucederam os anos – muitos anos –  depois que ela voltou para nós, pobres humanos mortais. Com uma trilogia (mais uma) cheia de aventura, romance, fantasia e mistério; Howard nos mostra que Alice Liddell deixou um legado. E herdeiros.

Alyssa Gardner é nossa personagem principal. Descendente de Alice, Alyssa não é bem uma jovem tão normal. Na verdade, a todo momento ela carregou o peso das histórias de Carroll – que aqui, como adendo, é um personagem também. Ela consegue ouvir insetos e flores, mas sempre achou que isso fosse um sintoma de esquizofrenia, passado de maneira genética desde Alice para sua família.

Sua mãe – Alison – também fora atingida por essa onda de loucura que acometeu a família. E assim, como aconteceu com a própria Alice, Alison encontra-se em um Sanatório. O maior medo de Alyssa é que ela vá fazer companhia a sua mãe em uma daquelas celas acolchoadas.

Seu pai é um grande companheiro. Ele entende as suas dores e seus conflitos, mas acha que essas coisas provêm do resultado de ter a mãe internada em um sanatório. Eles a visitam com frequência, mas às vezes ela não reage bem a essas visitas. E acaba, a maior parte de tempo ficando sedada para a sua própria segurança. Para Alyssa, vê-la nesse estado é a pior coisa do mundo. E ela sabe, ainda que instintivamente, que essa loucura toda tem um fundo que não é genético. E ela precisa ir descobrir o que é. Ou vai acabar tendo o mesmo destino de todas as mulheres de sua família.

Jeb e Jenara são irmãos e seus melhores amigos. Alyssa nutre uma paixão platônica por Jeb, mas sabe que ela talvez nunca seja correspondida, já que o moçoilo namora Tyalor, a menina mais popular da escola. Sem contar que o casal, que está terminando os estudos, planeja viver em Londres. Para Jeb e sua carreira artística, essa é uma chance de ouro. Para Alyssa, essa mudança significa perder mais uma pessoa que ama.

E para completar essa saga, nossa personagem ainda tem sonhos que não consegue identificar. Ela sabe que as histórias sobre o País das Maravilhas, de alguma maneira são verdades. E em um momento de lucidez de sua mãe, ela descobre que lá, uma maldição fora lançada em sua família. Só Alyssa pode fazer com que essa maldição seja quebrada e que sua mãe tenha uma chance de voltar para casa. Ou dela mesma não ir parar no hospício.

E é assim que somos apresentados a Morfeu… “a lagarta”… Morfeu a acompanha desde criança. Levava Alyssa para o País das Maravilhas para que ela crescesse junto com os outros intraterrenos e se acostumasse desde de sempre com sua “verdadeira” realidade. Ele a visitava em sonhos. E assim temos a singularidade do Deus do sono (Morfeu), e o nosso galante sedutor da história.

Morfeu tem um “Q” de anti-herói sedutor. Seu cinismo e histórias que sempre são deixadas pela metade, para que Alyssa continue o resto, é que a arrastam para um mundo completamente novo. E assim, ela – e Jeb por um erro, ou desejo concedido – vão parar no País das Maravilhas.

Pensem em um lugar completamente psicodélico, com criaturas peculiares e muita, muita esquisitice. Bem, esse é o País das Maravilhas. E é aí que Alyssa vai passar por muitas provações até conseguir desfazer o nó que começou séculos atrás, quando Alice resolveu seguir o coelho – que não é coelho, e sim quase um zumbi, com seus ossos e pele necrosada no lugar dos pelinhos fofinhos e simpáticos.

A narrativa – em primeira pessoa – de Howard é bastante singular. A cada capítulo ela nos apresenta uma nova aventura e um novo mistério. Fazendo com que o leitor fique preso nessa saga até que toda situação se resolva. Tudo que parece nem sempre é. E você fica buscando os verdadeiros vilões e mocinhos dentro desse desenlace. Ah! Sim! Há muitas voltas e reviravoltas. E nós, leitores somos aprisionados junto a Alyssa.

A diagramação de capa e páginas do livro também são fantásticas. As cores vivas e o tipo de foto fazem com que seus movimentos sejam quase reais. É um livro que te conquista desde já nas prateleiras das livrarias. E a narração te faz ter experiências quase sinestésicas, já que a todo momento Alyssa compara situações aos cheiros que está sentindo. Assim nós ganhamos em todos os quesitos.

Ah! E sabe seus personagens favoritos?! O gato de Cheshire, o Chapeleiro Maluco, as irmãs Tweed, rainha branca e a rainha de Copas… bem… estão todos lá. É uma aventura e tanto!

“Não há sinceridade na traição.” [p.297]


Vakinha

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Kinha Fonteneles

Érica nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, mas deveria ter nascido nesses lugares onde se conversa com plantas, energiza-se cristais e incenso não é só pra dar cheirinho na casa.
Letrista na alma, e essa bem... é grande demais por corpinho de 1,55 que a abriga.
Pisciana com ascendente E lua em câncer. Chora quando está feliz, triste, com raiva e até mesmo com dúvida.
Ah! É uma nefelibata sem cura.

Previous Truques de beleza da antiguidade que são atuais
Next Friends From College: a aposta ruim de 2017 para a Netflix

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close