Você gosta de histórias de amor? E de histórias de natal? E de histórias românticas de natal com uma pitada de magia e esperança? É possível encontrar tudo isso e mais um pouco no livro organizado por Stephanie Perkins, que também é uma das autoras. Os outros nomes que a acompanham são: Holly Black, Ally Carter, Matt de La Peña, Gayle Forman, Jenny Han, David Levithan, Kelly Link, Mira McEntire, Rainbow Rowell, Laini Taylor e Kiersten White.

“O Presente do meu Grande Amor – Doze histórias de Natal” reúne contos desses diferentes autores que falam sobre o amor acontecendo nas vésperas das comemorações de final de ano, trazendo todo o seu clima em cada página.

Um detalhe interessante do livro é que ele traz personagens de diversas culturas, e algumas delas não comemoram essa data como a maioria. Alguns comemoram o solstício de inverno e outros promovem bailes com a finalidade de selarem matrimônios. E, alguns jovens, vão ao Krampuslauf, um festival em homenagem ao Krampus, uma criatura mitológica que também é conhecida como antinoel. Então você lerá em algum momento: Feliz porláksmessa, feliz Chanucá e é claro, feliz Natal. Veremos também maneiras diferentes de se fazer a ceia de natal, como uma boa panela de arroz doce (em um momento tão bem descrito que se é capaz de sentir o cheiro), purê de batatas, chocolate quente no telhado, algumas garrafas de vodka e iogurte.

Mas é claro, estamos falando de amor, não de comida (não apenas). Os romances apresentados aqui são todos cativantes. Cada autor consegue falar sobre esse belo sentimento de forma única, capaz de prender o leitor logo nas primeiras linhas. Nenhum conto perde para o outro em termos de qualidade de escrita e todos eles apresentam histórias de amor que conseguem aquecer nossos corações (e até machucar um pouquinho) sem nos distanciar com um romance fantasioso, como vemos em muitos filmes de comédia romântica por aí. Mesmo quando o conto tem doses de magia, apresentando um amor não correspondido de uma humana por um duende que trabalha para o Papai Noel, ou quando um estranho homem que aparece sempre nas festas de natal e que nunca envelhece desperta o interesse de uma jovem, ou quando alguém desperta o sonhador.

O livro apresenta visões diferentes sobre o amor, mostrando que nem sempre e acontece da mesma maneira, cada um tem sua história e isso é maravilhoso. Também mostra como cada um se sente em relação a essa data tão marcante e como lida com todo esse clima festivo. Por esses motivos, cada página traz uma sensação imensa de proximidade com a realidade do leitor e a vontade de conhecer cada lugar descrito nos contos. É possível se identificar até mesmo com histórias que não viveu, próximos que nos sentimos com os personagens.

A própria mini biografia dos autores é convidativa, veja o que se diz da organizadora:

“Sthephanie Perkins  foi livreira e bibliotecária antes de fazer sucesso como escritora. Mora com o marido em uma casa centenária, com cômodos pintados com as cores do arco-íris. ‘É um milagre de Yule, Charlie Brown” narra o encontro transformador de Marigold, filha de hippies, e North, um jovem vendedor de árvores de Natal.'”

Sim, os próprios autores parecem tão incríveis quanto suas histórias.

Apesar de todas se passarem nas vésperas do Natal, é um livro recomendado para qualquer dia de qualquer mês, até mesmo para matar a saudade da época mais legal do ano. E o bem de ler agora no meio do ano, para quem está no Brasil, é que pode-se aproveitar os poucos dias de frio para preparar uma caneca de chocolate quente e se enrolar no cobertor, criando o clima perfeito para começar a leitura.

“O presente do meu Grande Amor – Doze histórias de Natal” é um livro que podemos chamar de aconchegante e viciante, pois não dá para largar suas páginas depois de começar a ler.


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Gleicy Favacho

Gleicy Favacho é uma maquiadora com alma de artista. Quando pequena sonhava em descobrir um mundo fantástico através do armário muito antes de se ouvir falar em Nárnia. Essa imaginação a levou a seguir uma profissão onde ela pudesse participar da construção de vários mundos e histórias diferentes, sendo apaixonada por cinema, teatro e outras artes. Claro que, sendo adulta, já mantém um pouco mais os pés no chão, mas sempre olha dentro de um armário ou outro, afinal, vai que… né?

Previous Crítica: Annabelle
Next Social Comics: Mutts – Cães, Gatos e outros Bichos

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close