9 de dezembro de 2019
Com muitas reviravoltas, e um desfecho surpreendente – que ainda não é um desfecho completo -, descobrimos as muitas peripécias de Amani.

Sabe aquele livro que quando acabamos nos sentimos órfãos, como se quiséssemos que a história continuasse?! Então, é exatamente assim que você irá se sentir quando terminar de ler A Traidora do Trono”.

Esse livro é o segundo de uma trilogia, já falamos sobre o primeiro – A Rebelde do Deserto  – por aqui. Em “A Traidora do trono“, temos uma das narrativas mais inesquecíveis que se pode ter e muita adrenalina. Enquanto que no primeiro livro o destaque era Amani – a personagem principal – nesse, temos como grande destaque o inimigo da rebelião, nos fazendo pensar que a luta pela liberdade pode ser muito mais perigosa do que imaginamos inicialmente.

Aqui, Amani está ainda mais unida à rebelião, porém um grande imprevisto faz com que ela se distancie de tudo, pois torna-se prisioneira do sultão, sem poder fazer muita coisa. Assim, ela acaba tendo que viver com a sua nova realidade, a vida no harém do sultão. Porém, tudo o que pensa é voltar para os seus amigos.

“Não me agradava ficar perto dele mais tempo que o necessário. Não quando tinha tanto poder sobre mim. Não quando bastava uma palavra em falso para descobrir quem eu era.” – Amani.

No harém ela descobre um mundo completamente diferente do que está acostumada, mas isso não quer dizer que seja menos perigoso, pois em meio a tantas mulheres querendo a atenção do sultão e do sultim, Amani percebe que elas podem ser extremamente perigosas. Nesse lugar, a protagonista se depara com muita politicagem, intriga até não poder mais e muita competição entre as mulheres, algo extremamente perigoso, pois nessa luta as armas que Amani costumava usar nem sempre são muito válidas, e algo que Amani não sabe usar muito bem são as palavras, ainda mais – em sua condição – no qual não pode mentir.

Durante a sua estadia no palácio algumas dúvidas começam a surgir em sua cabeça. Afinal, o sultão não parece um homem tão terrível quanto a rebelião pintava, mas saber se essa dúvida vai permanecer, só lendo o livro.

No primeiro livro – “A Rebelde do Deserto” – já temos reviravoltas surpreendentes, mas em “A Traidora do Trono” deixa o primeiro no chinelo quando o assunto é surpresa.

É nesse livro que paramos para pensar sobre a relação entre a ficção e a realidade. Pois, além dos djinns e toda a mitologia arábica trabalhados em durante a narrativa, temos como destaque as intrigas familiares. Nesse caso, o fato de você pertencer a uma família não quer dizer que você terá amor, cuidado ou algum tipo de carinho por parte daqueles que deveriam te defender. Aqui, é um pouco diferente, podendo sofrer abusos e opressão dentro de um esquema familiar que é muito diferente.

Em “A Traidora do Trono“, percebemos que o sultão é o que faz surgir todo o desentendimento familiar, fazendo com que ocorra uma grande disputa pelo poder, um poder que está massacrando o seu povo com uma guerra sem fim, fome, seca, entre muitos outros problemas – algo que vemos por aqui a todo momento, aliás.

No primeiro livro, toda essa politicagem é um pouco confusa, nem sempre nos deixando claro o que está realmente acontecendo, mas em “A Traidora do trono“, ela se desenrola de uma forma bem suave, dando respostas a muitas perguntas que não foram respondidas no primeiro.

Mesmo com suas 440 páginas, a leitura é muito ágil, não só por causa de uma narrativa envolvente e uma boa escrita, faz com que o livro seja lido rápido, nos deixando um gostinho de quero mais.

Agora, o que nos resta é esperar chegar o dia 23 março para o lançamento do último livro da trilogia.

“Egoísmo era o que o deserto mais produzia. Eu sabia disso melhor do que ninguém.”

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Sabrina Queiroz

Leitora voraz, que faz mil e uma tarefas. Apaixonada por filmes, séries e leitura em geral. Cacheada de nascença e por amor.

Previous Os principais lançamentos de Games: Março de 2018
Next Editora Rocco traz a lista dos lançamentos do mês de março

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

High School Band: a comédia adolescente que foge do clichê

24 de maio de 2017
Close