Connect with us

Hi, what are you looking for?

Música

Rock in Rio Lisboa II: a consagração entre os portugueses

Com estruturas diferentes de 2004, quando rolou a primeira edição do evento em Portugal, o Rock in Rio Lisboa 2006 mostrou aos portugueses que havia chegado para ficar. Em cinco dias de shows, o Parque Bela Vista recebeu 350 mil pessoas. Em toda a área do local, foram montados o Palco Mundo – com uma estrutura metálica futurística e semelhante a utilizada atualmente nas edições brasileiras -, o Hot Stage e a Tenda Eletrônica, que foi muito elogiada pelo público. Outra novidade, foi uma pista de neve verdadeira no parque.

A responsabilidade social, que é uma grande marca do festival, não ficou de fora. O projeto social do RiR Lisboa II arrecadou 552.984 euros, que foram entregues à SIC Esperança, parceira do evento.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Line-up completo do Rock in Rio Lisboa 2006. Imagem: Divulgação/Rock in Rio

O primeiro fim de semana

Aquele 26 de maio prometia. O D’ZRT abriu os trabalhos do Palco Mundo, em sua primeira vez no festival. A banda, composta por Angélico Vieira, Cifrão, Edmundo Vieira e Paulo Vintém, fora criada um ano antes, na série portuguesa “Morangos com Açúcar”, semelhante à brasileira “Malhação”. Em seguida, Ivete Sangalo trouxe a folia brasileira para os lusitanos. No repertório, hits como “Abalou”, que abriu o show, “Céu da Boca”, “Arerê” e “A Galera” animaram o público.

Jamiroquai foi a penúltima atração da noite. Apesar de seu megassucesso “Virtual Insanity” ficar de fora do setlistJay Kay e sua trupe agradaram a galera. E, encerrando a sexta-feira, Shakira surgiu deslumbrante, abrindo sua apresentação com “Estoy Aquí”. A colombiana era só sorrisos e sensualidade a cada música. “Hips Don’t Lie” que estourava mundialmente naquele ano, claro, não ficou de fora.

Já no sábado, foi a vez do Brasil começar a maratona de rock. Pitty foi bastante elogiada por sua desenvoltura no palco, sabendo carregar bem a plateia, seguida dos portugueses do Xutos & Pontapés. Consagradíssimos em seu país de origem, os músicos arrasaram com sucessos como “Perfeito Vazio“, “Ai Se Ele Cai” e “A Minha Casinha“, que fechou o show. The Darkness deram o gostinho que os fãs do Guns N’ Roses, que encerrariam a noite, precisavam. Rolou cover de AC/DC (“Highway to Hell” e “Thunderstruck”) e muita pauleira. Porém, bastou a voz de Axl Rose ecoar pelo Parque Bela Vista, para os fãs irem abaixo. E quem achou que era hora de dar tchau ao RiR, se enganou. Sexta-feira a maratona recomeçaria.

Shakira no Palco Mundo. Imagem: Reprodução/YouTube/Rock in Rio

A volta após o descanso

Cinco dias foram suficientes para os lusitanos darem aquela relaxada, porque o fim de semana começaria mais cedo no Rock in Rio. Junho começou em grande estilo, com os mineiros do Jota Quest, seguidos de Rui Veloso. Foram show para a galera cantar junto e curtir no maior clima de romance. Carlos Santana e seus riffs inconfundíveis deram o ar de sua graça, precedendo Roger Waters, a grande estrela da noite. O setlist foi impecável, só de sucessos do Pink Floyd, incluindo a lendária “Another Brick in The Wall”. Melhor? Impossível!

No sábado, foi a vez dos cubanos mostrarem seu talento, com o grupo de hip-hop Orishas. Graças ao show do RiR, a visibilidade dos caras ao redor do mundo ficou ainda maior. O Kasabian veio depois, com uma apresentação bastante aplaudida pelo público. Da Weasel aqueceu a galera, com diversos sucessos conhecidos pelos portugueses, para o show da noite: Red Hot Chili Peppers. O grupo de Anthony Kiedis não deixou barato. Só megahits, como “Can’t Stop” e “Californication”uma homenagem justíssima aos Bee Gees em “How Deep is Your Love?” e um final emocionante com “Under The Bridge” “Give It Away”. 

Advertisement. Scroll to continue reading.

Anthony Kiedis, durante a apresentação do RHCP. Imagem: Reprodução/Rock in Rio (Créditos: Rita Carmo)

Bye, bye Lisboa!

Já no último dia (4), Marcelo D2 comandou o Palco Mundo, precedendo a dona de “Put Your Records On“, Corinne Bailey Rae. A cantora fez um show tranquilo e agradável, sendo elogiada pela crítica. Anastacia, que tem, até hoje, um sucesso estrondoso pela Europa, foi a penúltima atração. Ela estava em turnê de divulgação de seu mais recente DVD, “Live At Last“. E encerrando o Rock in Rio Lisboa, o ex-The Police, Sting, arrasou. Seguindo a mesma linhagem que Roger Waters, o repertório do cantor foi basicamente de sua antiga banda, inclusive abrindo com “Message In A Bottle”. 

Por hoje, é só! Fiquem ligados que, em breve, falaremos sobre a dobradinha que rolou em 2008: a terceira edição em Lisboa e a primeira em Madrid, na Espanha. Até lá!

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Giulia Cordeiro é carioca, jornalista e professora por formação, artista por amor. Amante da música e dos gatinhos, não sai de casa sem um caderno e caneta, e adora boas histórias (geralmente bem longas).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Música

Portões da Cidade do Rock abrem em 25 dias para o público Primeiro dia de Rock in Rio será de festa e muito reencontro....

Especiais

Diverso nos ritmos, diverso nos espaços, diverso nas pessoas assim será o Rock in Rio 2022 Um show de diversidade. O Rock in Rio...

Música

Faltando menos de um mês para o Rock in Rio 2022, Original Globoplay celebra os 37 anos do festival Faltando menos de um mês...

Listas

Nos quase 40 anos de história do Rock in Rio, não faltam músicas inesquecíveis para os amantes da boa música. Relembre com a Woo!...

Advertisement