Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Brinquedo Assassino (2019)

Brinquedo Assassino
Imagem: Divulgação/Imagem Filmes

Como já indicavam os trailers, o novo “Brinquedo Assassino” não mais incorpora um espírito humano. Em vez disso, a recente releitura aposta na automação tecnológica. Buddi, simpático boneco da fictícia Kaslan, funciona como uma espécie de Alexa ou Google Home. Em outras palavras, a inteligência artificial substitui o vodu no filme de Lars Klevberg (“Morte Instantânea”). Os riscos de tal abordagem são evidentes, e insucessos abundam em “Black Mirror” – para citar um conhecido exemplo. Justamente por esse motivo, surpreende o cuidado da refilmagem, sempre atenta à possibilidade de recair em um determinismo tecnológico.

Imagem: Divulgação/Orion Pictures

Se por trás de Chucky não há mais uma pessoa, parece fácil atribuir à tecnologia o papel de vilã. Semelhante conservadorismo, no entanto, nada tem a ver com a irreverente franquia de Don Mancini. Felizmente, tampouco o tem com a atualizada versão. A começar por Aubrey Plaza: a atriz, notabilizada pela debochada indiferença da personagem April, em “Parks and Recreation”, dita o tom de um filme pouco interessado em produzir algum discurso. Cai por terra, assim, qualquer tentativa condenatória – marca registrada de “Black Mirror”.

Não se trata, na verdade, de sugerir propriamente uma ausência de discurso. Na condição de inteligência artificial, Buddi aprende com os humanos ao seu redor. O problema específico de Chucky – dublado por Mark Hamill (o Luke Skywalker da saga Star Wars”) – consiste, porém, na remoção dos controles de segurança, medida retaliatória de um funcionário da Kaslan. Ora, se o brinquedo imita o comportamento infantil, podem-se supor atitudes guiadas pelo id. Contra esse puro princípio de prazer, as travas de fábrica atuariam como instância regulatória, análoga à educação familiar para o menino Andy Barclay (Gabriel Bateman, de “Quando as luzes se apagam”).

Advertisement. Scroll to continue reading.
Imagem: Divulgação/Imagem Filmes

Nesse sentido, talvez seja coerente chamar o filme de infantil. Longe, aqui, de qualidade valorativa, o adjetivo chama a atenção para a liberdade das sequências, despreocupadas com uma rigidez discursiva. Como Chucky, que aprende com as crianças, ou Andy, que amadurece com os obstáculos, “Brinquedo Assassino” (Child’s Play, 2019) se constrói em ato. Entre a maturidade de identificar uma cultura da violência – em inteligente montagem alternando cenas de “O Massacre da Serra Elétrica 2” (The Texas Chainsaw Massacre 2, 1986) e gargalhadas – e a espirituosidade de produzir comédia a partir disso – Chucky associa o horror à diversão e mimetiza Leatherface  -, Klevberg recupera o componente humano e afasta de vez todos os perigos que carrega consigo a premissa tecnológica. A arriscada aposta compensa.

Não é, portanto, vilã a inteligência artificial. Entendida enquanto extensão do humano, a tecnologia apenas potencializa algo já existente. Logo, Buddi ou Chucky meramente canalizam os desejos de suas crianças. A ameaça reside, antes, no id largado à sua sorte, imediado pela dimensão superegoica. Caracterizado como infantil, contudo, não estaria o longa-metragem sujeito aos mesmos riscos? Posto de outra forma, o que o impediria de uma destruição próxima à deflagrada por Chucky? Decerto a direção de Lars Klevberg. Ciente das turbulentas zonas pelas quais transita o projeto, o cineasta sabe bem se esquivar: tanto da indevida seriedade quanto do puro chiste.

* O filme estreia dia 22, quinta-feira.

Vídeo: Divulgação/Imagem

Advertisement. Scroll to continue reading.
Sinopse
Karen presenteia seu filho pequeno, Andy, com um boneco muito especial. Os dois precisam lutar por suas vidas, porém, quando crimes estranhos começam a acontecer pela vizinhança, revelando a natureza sombria do brinquedo.
Prós
Direção cuidadosa e competente
Roteiro inova por não demonizar a tecnologia
Contras
Está mais próximo de um filme infantil do que um terror
4
Nota
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: "Chucky": série do "Brinquedo Assassino" estreia hoje nos Estados Unidos - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Filmes

Adaptado do livro Firestarter (A Incendiária, em português), o novo filme de Stephen King estréia dia 13 de maio. Um dos autores mais adaptados...

Filmes

Em parceria com a Blumhouse (responsável pelos filmes “Corra!”  e “O Homem Invisível”), a Amazon produziu quatro filmes de terror que serão lançados a partir...

Geek

A chuva atrapalhou os planos dos que queriam aproveitar os brinquedos no primeiro fim de semana do festival O Rock in Rio 2019, é...

Crítica

“Nenhum horror do mundo se compara ao terror de uma página em branco.” A jovem Sarah (Madison Iseman) senta-se de frente para o computador....

Advertisement