Como é do conhecimento geral, a Síria vive uma guerra civil com consequências humanitárias incontáveis. O conflito interno iniciado pela dura repressão do presidente sírio Bashar al-Assad à uma série de manifestações populares de 2011 culminou em um conflito interno (que logo tomou proporções internacionais) e devasta o país. As tentativas de fuga em busca de asilo em outros países (especialmente da Europa) já levou centenas de Sírios a morte, devido a travessia marítima. O principal palco desta tragédia humanitária é a cidade de Aleppo, onde os civis passam períodos sem acesso à água ou comida.

Atualmente muito se fala sobre esta guerra que já dura 6 anos, e algo que é quase consensual é que a exposição de civis (em especial crianças) a este contexto cruel fere os direitos humanos. No ocidente não paramos de ser arrebatados por imagens trágicas dos menores vítimas dos bombardeios. E, entendendo que uma crise humanitária deste porte é (sim!) um problema de todos, surge a dúvida: O que podemos fazer para ajudar de alguma forma?

Com essa questão na cabeça e uma enorme vontade de fazer a própria parte, Christian Laurito elaborou um projeto musical para reunir esta causa pertinente à um som de qualidade. Assim surgiu o projeto “Rock por Aleppo ”: Um show casado com uma benfeitoria com o intuito de auxiliar as crianças sírias. E no último sábado (29/04) a Fundição Progresso recebeu quatro apresentações incríveis em prol dessa linda proposta. Além dos shows memoráveis, os valores arrecadados na noite foram destinados à ONG Save the Chindren, que atende crianças em campos de refugiados. Incrível não?

A noite começou com a abertura da excêntrica banda The Highjack. Na linha rock setentista, os caras abriram o palco com um som animado e muito estilo (os looks inspirados na década 70 enriqueciam o show, nos levando por uma viagem no tempo). O primeiro show da noite foi o de Caio Correa. Ele, que já foi baixista da banda Scracho, lança seu trabalho solo. Com muita simpatia e carisma, Caio abriu os trabalhos principais do evento com um som autoral que mostra que o rapaz está vindo para fazer a diferença no cenário musical. Durante o show Wissam Arbash subiu ao palco, um sírio refugiado no Brasil. Suas palavras tocaram fundo no coração e na consciência dos presentes. Foi um soco na cara necessário, e que precisa ser difundido.

O show do Detonautas Roque Clube foi o ponto alto da noite. Com grandes sucessos e discursos contundentes sobre a importância de conscientização sobre a situação dos civis na Síria, os caras levantaram a fundição em pouco mais de uma hora de som. E para fechar com sucessos dos anos 2000 (e tantos) a banda Tihuana chegou e aconteceu! Com um show potente, Egypcio, PG, Roman e Leo sacudiram a fundição.

Nos intervalos “entre-bandas” o público ficou nas boas mãos de Priscila Dau. A Dj fez apresentações incríveis, com uma seleção de músicas do gênero de diversas gerações. Foi sucesso atrás de sucesso. Realmente uma participação notável em uma noite tão especial.

A noite também foi repleta de minas com produções maravilhosas. E como nós não perdemos a chance de mostrar essas mulheres estilosas, fizemos uma galeria de alguns dos looks da noite, para inspirar composições para shows de rock – afinal, não é por ser preto que precisa ser básico, e muito menos chato.

A combinação mais básica (e que dificilmente dá errado) é o casal jeans + blusão banda. E nessa pegada, que está super dentro da proposta, é possível brincar com adereços nada óbvios e que criam uma cara totalmente diferente à composição: Como casaco felpudo e presilha de cabelo acompanhando… Sensacional. Outra opção que pode quebrar um pouco o padrão “preto rock n’ roll” são peças com tecidos mais ousados, como transparências ou veludo molhado. E por falar em quebrar o padrão, que tal trazer cor aos detalhes? Às vezes um casaco colorido amarrado na cintura já traz a leveza necessária ao look, além de desenhar a silhueta.

Boas parceiras para este tipo de look (especialmente nesta época do ano) são as meias-calças: Grossas, finas, arrastão, com padrões…. São bem-vindas também nessa pegada rocker! Outra tendência queridinha que é super aderente ao estilo são as listras, então, podem usar sem medo! (e sem neura de “isso engorda e aquilo estica” também! Afinal, você é linda e a tendência só vai reforçar isso!).

Blusões também são peças coringas nessas composições. O bom e velho estilo grunge nos presenteia com essa possibilidade, então vamos aproveitar! Quadriculados, jeans ou estampados, sejam amarrados ou como casaquinhos, geralmente arrematam bem o look.

Que os eventos de alguma forma podem influenciar a maneira como nos vestimos, nós sabemos. Mas por ouro lado é sempre fundamental lembrar que isso não é (e não pode ser) uma prisão. Shows de rock (assim como de sertanejo, funk etc) tem uma tendência de vestimenta, mas que deve ser usada se (e somente se) ela te representar e te deixar feliz. E olha, se não for o seu caso, saiba que é possível fugir disso e continuar divando. Na nossa galera temos três exemplos incríveis que quebram a lógica e são incrivelmente belos. Um look despojado com short de tecido levinho, blusa de desenho animado e um all star, arrematado com um casado brilhoso compuseram uma proposta casual chique. E porque não um vestido longo? No exemplo da foto, com um vestido amarelo, trazendo à bela um ar quase campestre, linda! E, por fim, o que dizer desse look tombamento de calça social e blusa tipo chemise fina, com aplicações sobre os seios (super livre e empoderadora)? Faltam palavras! Daqui só sabemos sentir.

Confira os looks:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

E se você quer ajudar de alguma forma, mas não sabe como, vale dar uma pesquisada no site da Anistia Internacional, dos Médicos sem Fronteiras além de ONGs relacionadas, como a Save the Children. Muitas vezes o pouco que fazemos, somado a outros poucos (que outros tantos podem fazer) faz a diferença na vida de muita gente! Então, se leu até aqui, não deixe de clicar nos links e fazer a sua parte.