“O Vendedor de Sonhos” estreou em todos os cinemas do Brasil no dia 8 de Dezembro de 2016, com a direção de Jayme Monjardim. É uma adaptação do best-seller do psicólogo e escritor Augusto Cury. O elenco do filme é composto por Dan Stulbach, César Troncoso, Thiago Mendonça, Leonardo Medeiros, Guilherme Prates e Malu Valle.

O enredo conta a história de um psicólogo que tenta suicídio e um indivíduo com pensamentos filosóficos o impede de cometê-lo. Os dois seguem por uma aventura pela cidade, na qual os diálogos desenvolvidos colaboram com uma amizade que começa a surgir. Nesse tempo, outros se juntam a caminhada e o aprendizado proposto pelo “Mestre”, personagem do ótimo César Trancoso. Muitos questionamentos são feitos sob a sabedoria desse, um misterioso morador da rua que desafiou o conflito vivido pelo psicólogo e o salvou de um triste fim.

Júlio César é um profissional renomado na área da psicologia e, por isso, muito preocupado com a sua imagem. Demonstra dificuldades de relacionamento com a família e se culpa pelo comportamento atual do filho e pelo divórcio enfrentou. Com isso, não encontra recursos para elaborar e organizar as próprias questões e se perde, acovardando-se diante da realidade avistada.

Os profissionais da Saúde Mental (psicólogos, psiquiatras e áreas afim), são símbolos da perfeição e para a sociedade estão na categoria daqueles que são capazes de dar conta das suas próprias vidas, problemas e ainda ajudar os seus pacientes. Todos nós podemos cometer falhas, enfrentarmos questões difíceis e, muitas vezes, situações semelhantes as que ouvimos dentro do setting terapêutico. É da natureza humana enfrentar tentar determinados conflitos, mas nem sempre isso é possível. E  nesse momento que entra o profissional, que pode casualmente acabar cuidando de um amigo de profissão.

Já o personagem do “Mestre” (Spoilers a frente) foi dono de uma grande empresa, formou uma bela família e nunca tinha tempo pra se dedicar a ela, até que a perdeu num acidente de helicóptero. Tal cena ficou marcada em sua memória, causando um surto que o levou a enxergar a vida de outra forma, o que o levou a morar na rua. Seu novo comportamento, a certos pontos de vista, é algo incomum, difícil de acontecer na opinião de muitos. Todavia, existem diversos casos do tipo.

Algumas pessoas lidam mal com a perda e não conseguem desenvolver padrões de comportamentos ditos normais para a Sociedade, chegando a loucura e a não aceitação. Nesse caso, o Mestre, antes do acidente, tinha atitudes bastante comprometedoras e compulsivas com o trabalho, sem perceber o mal que causava a família e a si mesmo, algo que veio à tona com o arrependimento.

Os dois personagens se assemelham pelos sentimentos gerados em relação às suas famílias e os desgostos enfrentados em vários momentos da vida. Quando eles se encontram, suas experiências funcionam como imã e isso pode ser capaz de mudar para sempre a vida dos dois.

Por Marina Andrade