O título de “namoradinhas da América” já passou por mãos muito conhecidas, e nem sempre pertenceu só a pessoas americanas. Júlia Roberts, Sandra Bullock, Reese Witherspoon, a sul-africana Charlize Theron já foram algumas das celebridades que receberam essa alcunha e são, até hoje, muito amadas. Jennifer Lawrence e Emma Watson também já tiveram essa “bênção”, mas hoje fazem parte das celebridades que o pop não poupa (como eu falei na coluna O Pop Não Poupa Ninguém.

Atualmente, novos rostos ganharam esse papel, como Emma Stone – que faturou seu Oscar de Melhor Atriz por “LaLaLand”. Diferente de seu companheiro de cena Ryan Gosling, Emma viu sua popularidade crescer e se tornou a queridinha de muitas pessoas mundo afora. Seu rosto não era totalmente desconhecido, mas sua carreira seguia mais uma cartilha de comédias românticas. O blockbuster “O Espetacular Homem Aranha” e os premiados “Birdman” e “Histórias Cruzadas” ajudaram nessa ascensão, mas a artista não recebeu a devida atenção dos prêmios que já vinha merecendo em alguns desses projetos.

Com a popularidade adquirida, Emma viu sua carreira deslanchar com novos fãs, ávidos por sua carreira e vida pessoal. Seus filmes mais antigos, como “A Mentira” por exemplo, ganharam muita popularidade devido a participação da atriz. Sua personalidade é constantemente elogiada, tal qual é o seu senso de humor, bem como o seu estilo é muito copiado por todas suas novas seguidoras.

Outro rosto que tem recebido uma atenção constante é o da atriz Brie Larson que, em 2015, arrasou com sua atuação no dramático “O Quarto de Jack”. No filme, Larson Interpreta uma jovem que foi sequestrada quando tinha apenas 17 anos e que passa vários outros enclausurada, sofrendo diversos abusos e dando a luz ao pequeno Jack no cativeiro. A atriz também não era novata no cinema, começou sua carreira ainda adolescente e, inclusive, tem uma quase desconhecida carreira musical. Todavia “The Room” (Título original do filme que lhe rendeu o Oscar), foi o responsável ajuda-la a alçar voos ainda maiores em sua vida artística.

À parte de ser uma excelente atriz, Brie também luta por causas sociais e atua constantemente em campanhas sobre violência contra mulheres. Um ato dela chamou bastante atenção: ela foi apresentadora da categoria de Melhor Ator de 2017, tanto no “Globo De Ouro” quanto no “Oscar”, e ambos os prêmios foram vencidos pelo ator Casey Affleck, que têm contra si duas denúncias por assédio sexual. Brie se recusou a cumprimentá-lo na primeira premiação e não o aplaudiu na segunda. Seu gesto foi considerado um protesto velado e apoiado pelo público em geral.

2016 também foi o ano de Amy Adams. Aclamada pelo público e crítica especializada, por seu trabalho nas excelentes produções “A Chegada” e “Animais Noturnos”, Amy foi “esquecida” pela Academia do Oscar, o que causou grande comoção entre os fãs, já que ambos os filmes ela apresenta atuações que não deveriam ter passado em branco pelos grandes prêmios. A atriz, na verdade, tem sido uma espécie de Leonardo DiCaprio feminina: ela já foi indicada 5 vezes ao prêmio e, infelizmente, perdeu todas ela.

Com uma carreira um pouco mais consistente, Adams vem atuando em diversos filmes que chamaram atenção antes mesmo dela participar desses já citados acima. Ela já fez de tudo um pouco, como comédias românticas (“Encantada”), o premiado (e superestimado) “A Trapaça”, além de ser a atual “Lois Lane” dos filmes de Superman. Suas escolhas, até agora, têm sido consistentes e Amy tem montado uma carreira brilhante.

Outra que chamou a atenção do público por sua atuação visceral, foi a mexicana naturalizada queniana Lupita Nyong’o. A atriz, que ficou conhecida por atuar no maravilhoso “12 Anos de Escravidão”, viu sua carreira acontecer com o filme. Ela já era atriz antes, mas com a obra ela tornou-a mundialmente conhecida. Discreta, elegante, e dona de uma beleza estonteante, Lupita virou a queridinha do mundo por não ser parte da beleza convencional e nem ter uma personalidade pedante.

O que ela veste, o modo como ela se porta, sua atuação e sua postura são muito elogiados mundo afora, não só por personalidades do cinema, mas da moda e pessoas que falam sobre comportamento. A parte de possuir um carisma inigualável, ainda possui uma força para atuar e uma naturalidade que só acrescentam na pessoa que Lupita é. Ainda que nenhum de seus projetos tenham tido a mesma força que “12 Anos…”, ela fez outros grandes projetos como “Star Wars – O despertar da força” e “Rainha de Katwe”.

Fechando essa lista com artistas fantásticas, temos o nome da sueca Alicia Vinkander. A atriz surgiu com grande força em “Ex-Machina”, filme de 2015 sobre inteligência artificial. Logo depois, participou de “A Garota Dinamarquesa”, ao lado de Eddie Reymane, no qual interpretou Gerda Wegener, personagem que lhe rendeu diversos prêmios, incluindo o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante de 2015.

Discreta, com um estilo elegante, e uma maneira de agir de quem prefere que o centro das atenções seja sua atuação e não sua personalidade e/ou vida pessoal, Alicia consegue manter o interesse do público nela, ainda que não se saiba como classificá-la.

Em comum, todas as atuais namoradinhas do cinema tem uma personalidade carismática, ainda que diferentes entre si, talento e discrição para manter suas vidas pessoais afastadas da mídia. Resta saber se o publico ainda vão considerá-las queridinhas por muito tempo ou se o bichinho do pop vai fazê-las serem odiadas logo.