Connect with us

Hi, what are you looking for?

Entrevistas

Bienal do Livro: Entrevistamos Heloiza Daou da Editora Intrínseca

A gerente de marketing da Intrínseca, Heloiza Daou recebeu a Woo! Magazine para uma conversa na Bienal do Livro. Confira!
Amanda Moura – Como é o processo de criação do estande? Há uma equipe especializada nisso?

Heloiza Daou – Temos um esquema já há algum tempo. A gente vem fazendo um estande, que se você olhar para o que foi feito anteriormente, ele tem essa mesma estrutura, parecida com o que ele é hoje. Mas, é claro que com o passar do tempo, a gente vai burilando e chegamos nesse ano com o estande dessa forma. É tudo um processo. Quem define essas coisas no estande sou eu junto com a equipe da Escada, nosso escritório de Arquitetura e Design.

Há dois anos, na Bienal do Livro aqui do Rio, a gente começou com as paredes interativas. Em seguida, a gente começou a fazer coisas que saíam das paredes, como a floresta Neil Gaiman. Além disso, também tivemos a Jenny Han, onde bolamos as luzinhas para fora. Então, começamos a fazer volume nas paredes. Fizemos isso também na Bienal do Livro de São Paulo, ano passado. Esse ano a gente vai desenhando junto, na verdade, eu falo o que quero destacar nas paredes, o que gostaria que tivesse. Daí eles dizem o que é possível ou não, porque sou meio maluca (risos)… Se algo não é possível, então o que é possível vai sendo criado em conjunto.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Para a Bienal do Livro desse ano, o conceito é de estruturas literárias. A gente não só vende livros aqui, mas ideia é que o estande seja feito de livros. Temos a coluna ali na frente, o chão de vidro com livros dentro. É como se eles não aguentassem mais ficar escondidos dentro do estande, indo para fora.

A. M. – Atualmente, a editora possui nomes de peso no catálogo como C. J. Tudor, Daniela Arbex, Miriam Leitão e Mark Manson. Como é a escolha dos autores?

H. D. – Temos um corpo editorial, dedicado ao nacional dentro da Intrínseca. Nós ainda não recebemos originais, mas nossa equipe do nacional pesquisa muito, olha e vê o que pode agregar ao catálogo. Não somente os nomes de peso como a Pachá, o Hélio Gáspari, além dos que você já citou, mas a equipe também pensa no que pode funcionar como projeto. Um livro nacional é filho da editora junto com o autor. Então o corpo editorial vai ativamente buscar esses autores novos. Sejam eles autores consagrados, para projetos especiais ou autores novos. A equipe vai olhando o que tem a cara da Intrínseca e também do que pode ser considerado como novo.

A. M. – Qual é parte mais difícil de se trabalhar com editoração de livros?

H. D. – Posso falar especificamente sobre marketing, que é minha responsabilidade dentro da editora. Dentro do marketing, o que eu acho mais difícil é a gente conseguir um lugar. Hoje com a internet, com os nichos tão determinados, e também com o volume de editoras e livros em catálogo e lançamentos, o mais difícil mesmo é fazer o nosso livrinho brilhar sob o sol. Fazer com que a pessoa olhe aquele lançamento com carinho. Porque ainda lançamos pouco, nosso catálogo tem 500 títulos ativos atualmente, o que é muito pouco perto de outras editoras. Lançamos 4 ou 5 livros por mês, porque acreditamos que todo livro possa ser um grande sucesso. Então o mais difícil dentro do marketing, acredito que seja fazer com que o público daquele livro o encontre e dê uma chance àquele livro. Porque a concorrência é muito grande.

Advertisement. Scroll to continue reading.
A. M. – Qual conselho vocês dariam a quem está começando na carreira literária?

H. D. – Leia muito. Leia de tudo, sem preconceito. E acho também que não tem que ter medo de errar. Tem que escrever, escrever de novo, refazer, refazer de novo e ler mais um pouco. Nós temos a tendência de achar que as coisas estão prontas. E no fim das contas, está todo mundo em processo, mesmo os grandes autores nunca acham que está bom. Acho que é isso que precisamos aprender: olhar para esses grandes autores, para nomes consagrados e ver que eles não acham que o texto deles está bom o suficiente, que ainda precisa mexer. Isso ajuda muito quem está começando, que tem que ralar muito mesmo. Tem que batalhar, reescrever e ler demais.

A. M. – A chegada do formato digital e de outras tecnologias é um desafio para a Intrinseca?

H. D. – A gente já lança o livro na versão física e na versão digital ao mesmo tempo há alguns anos. Então, já temos isso bem incorporado na editora. Para nós, o e-book não é um problema, muito pelo contrário, é mais um formato para divulgar o conteúdo. Não importa se você vai adquiri-lo num tablet, num livro físico ou num áudio livro, que começamos a fazer agora. No final, o que interessa é o texto, então, expandir os formatos é uma maneira incrível desse mercado não apenas se reerguer, se renovar, como também ser repensado.

A. M. – Quais são os projetos da editora após a Bienal do Livro? Quais obras são os destaques?

Imagem: Divulgação/Bienal Internacional do Livro (Crédito: Woo! Magazine/Amanda Moura)

H. D. – A Bienal do Livro para nós é o coração do ano, então usamos muito como vitrine, para mostrar o que a gente realmente quer deixar como destaque nesse segundo semestre. A gente tem “Um Lugar Bem Longe Daqui” que é um grande livro de ficção. Lançamos em julho, e faz muito tempo que o mercado não recebe um livro de ficção. Se você observar, os livros mais vendidos são todos meio iguais, parecidos. E agora estamos com esse livro, que conta a história de Kya, uma menina abandonada por todo mundo que é salva pelos livros e pela natureza. Pra quem gosta de ler, este livro está estupendo, fantástico.

Imagem: Divulgação/Bienal Internacional do Livro (Crédito: Woo! Magazine/Amanda Moura)

Outro destaque é nosso “Cem”, destacado aqui na parte de dentro do estande. Esse é nosso grande presente de fim de ano! O livro é ilustrado, com poucas frases por página. Ele vai passando pela vida das pessoas com idades entre 0 e 100 anos. É muito emocionante e inclui um trabalho de pesquisa fantástico que os autores fizeram. O objetivo é entender esses núcleos, como a maioria das pessoas faz e realiza de acordo com a idade. Além de abrir o livro e ver o que está rolando na época da sua idade, o mais interessante é acompanhar o crescimento, o amadurecimento. É muito lindo. Acho que esses dois são os nossos grandes destaques.

*Esta entrevista teve a colaboração de Giulia Cordeiro.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Written By

Bibliotecária, doutoranda em História das Ciências, e das Técnicas e Epistemologia. Apaixonada por cinema, séries e cultura em geral. Sem Os Goonies talvez não estivesse por aqui.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: "Um Lugar Bem Longe Daqui" é destaque da Editora Intrínseca na Bienal do Livro | Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement
Advertisement

Você também pode ler...

Entrevistas

Quem via Daniela Arbex na Bienal do Livro deste ano, não imaginava que a mineira de sorriso largo estava correndo contra o tempo, por conta de sua...

Listas

Durante os dez dias da Bienal do Livro 2019, várias atrações marcaram presença para oferecer as últimas novidades do mundo literário. Afinal, foram três...

Listas

Evento terminou no último domingo (08/09), e deixou um legado importante para o futuro A XIX Bienal Internacional do Livro terminou e como sempre,...

Literatura

Durante o segundo fim de semana da Bienal do Livro 2019, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella decretou que fiscais da prefeitura...

Advertisement