Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica (2): Divinas Divas

O que dizer sobre o pioneirismo? Sobre a vida na fronteira do desconhecido, ou mesmo dos valores éticos e morais que embasam a retrógrada sociedade? O retrato da vida de pessoas que entram no futuro com o pé na porta, permitindo uma nova perspectiva para novas gerações, merece tato e respeito. E é com toda delicadeza necessária que Leandra Leal apresenta ao grande público a história de oito travestis que fizeram história no nosso país, tendo como ponto de partida o Teatro Rival e a saudosa Cinelândia das décadas de 60/70… “Divinas Divas” é um documentário precioso, obrigatório para todos que buscam entender melhor a história das questões de gênero e a noite carioca… aliás, obrigatória para todos: das cabeças mais abertas as mais conservadoras. Com uma leitura sensível, o documentário certamente mudará sua forma de pensar seus próprios privilégios.

Campeão na categoria de melhor filme por voto popular no festival South by Southwest (SXSW), nos Estados Unidos, o filme já exibido no Festival de Cinema do Rio de Janeiro no ano de 2016, chega aos cinemas (finalmente) no próximo dia 22/06. E sua boa repercussão (inclusive fora do país) é facilmente compreensível: Não só por tratar de histórias comoventes, o filme fala sobre luta (dura) sem perder o bom senso de humor.

Brigitte de Búzios, Camille K., Eloína dos Leopardos, Fujika de Holliday, Jane Di Castro, Marquesa, Rogéria e Valéria são, talvez, os nomes mais relevantes da época de maior glamour de travestis na noite do país. Com trajetórias diferentes, mas que se cruzaram em muitos momentos, as oito artistas se reencontram para um show de comemoração de seus 50 anos de carreira, no teatro que foi responsável pela valorização de seus trabalhos.

Advertisement. Scroll to continue reading.

É fundamental que se lembre que essas artistas foram as primeiras a subirem ao palco para shows como drags, em um período político conturbado no país. Inicialmente lado a lado com as vedetes, e depois em shows composto por elas, sofreram com a censura durante a ditadura, relatando diversas formas de abuso ao longo deste período. Mas isso não impediu que estrelassem números incríveis dentro e fora do país.

Narram também suas questões familiares (que variavam entre muito boas – no caso de Rogéria, por exemplo – e extremamente problemáticas – como com Marquesa), situando os expectadores na mentalidade da época (o que é bastante assustador, considerando que pouco mudou nas décadas de intervalo).

A relação com os próprios corpos é um aspecto abordado sob diferentes perspectivas, trazendo um panorama interessante sobre as diversas possibilidades de reconhecimento de identidade de gênero.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O Teatro Rival teve uma importância fundamental nas histórias dessas artistas, como local que, na Cinelândia de outrora (com sua acalorada vida noturna e seus famosos cinemas), as acolheu e difundiu seus trabalhos. Leandra Leal, então neta do dono do teatro, cresceu entre camarins e coxias do Rival, tendo contato direto e constante com esses ícones. Suas lembranças afetivas são narradas durante o longa, deixando claro a importância desse convívio na formação da atriz e pessoa “Leandra”. Ângela, sua mãe (também atriz), costumava levá-la aos bastidores do teatro desde antes de seu primeiro aniversário, e lá a menina cresceu e seguiu seus passos: Não somente por também se tornar uma atriz de renome, mas por assumir a missão de tocar os trabalhos no Teatro.

Muito lindamente vem, então, retomando trabalhos que deem espaço para travestis na noite carioca, com um novo projeto que se chama “Rival Rebolado”. Além de um show divertido com bailarinas/performers burlescas e atores (dentre os quais estão a própria Leandra e o impagável Luis Lobianco) rola um concurso para eleger a melhor Drag da temporada: Muito amor e diversão! E, novamente, o Rival cumpre um papel fundamental de inclusão de um grupo que (mesmo com todos os avanços) ainda sofre pela descriminação de toda sorte.

E por esse olhar sensível e envolvido (desde sempre) com a temática, a direção de Leandra Leal consegue fazer de “Divinas Divas” uma obra prima. A abordagem é leve, com bom ritmo garantido pela alternância entre relatos, registros antigos, ensaios e show. Extrai das artistas frustrações, delícias, amores e histórias; extrai do contexto a relevância desses nomes; e retira do convívio para preparação do espetáculo um pouco da divertida personalidade das divas. Espontâneo, o longa traz a discussão sobre o quanto a marginalização do trabalho realizado por artistas como elas é uma mazela de uma sociedade que ainda tem muito para evoluir (haja visto que a própria diretora do documentário cresceu rodeada destas damas e ali teve seu caráter – acolhedor – formado). A produção do longa também não deixa a desejar, entregando um produto atraente e com ares de elegância e glamour, mesmo na perspectiva documental que o acompanha do início ao final.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O documentário foi rodado contanto, dentre outras fontes, com verba de crowdfunding (espécie de vaquinha online). E a repercussão positiva do resultado mostra o quão importante é incentivar o desenvolvimento de trabalhos como este: que divertem, emocionam e conscientizam. Portanto, esta beleza do nosso cinema merece (e muito) ser vista.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating1 Vote
9.2
9
Written By

Geógrafa por formação, bailarina por amor e crespa por paixão, Lorena é uma estudante carioca que passa a vida em busca de soluções capazes de melhorar a qualidade de vida. Como boa taurina: é boa de garfo (e como come!) e amante das artes. Por isso se aventura em danças e circos para deixar a vida mais leve! Tem uma cabeça grande que nunca para de trabalhar e divide aqui na WOO suas loucuras e delícias.

7 Comments

7 Comments

  1. Dayane

    23 de junho de 2017 at 09:26

    Você escreve muito bem!

  2. Fernanda Paulino

    23 de junho de 2017 at 11:49

    Que textao em 👏 Realmente são divas divinas, o papel das grans são importantes nesse novo mundo, pra mostrar que nem sempre temos que ser do jeito que a sociedade impõe.

  3. Stheffany Farias

    23 de junho de 2017 at 13:58

    Nossaaa que legal!!! Adorei a sua matéria muito bem explicada!!! Gente o filme parece ser encantador!!!! Eu quero muito assistir <3 O trailer só me deixou com mais vontade ainda!!!

    -Beijoss

  4. Bruna Bueno

    23 de junho de 2017 at 14:44

    um post muito bem escrito eu ouvi falar da divinas divas hoje na televisao e fiquei muito curiosa para saber mais sobre, seu post me deixou com muita vontade de assistir adorei o trailer

  5. Alaine Kellen

    23 de junho de 2017 at 23:32

    o Trailler foi bem atrativo ,são muito influencias 😉 gostei muito ,já quero ver

  6. Rian

    24 de junho de 2017 at 17:24

    Olá, eu não tinha ouvido falar sobre este filme. Mas adorei seu post. Ficou bem detalhado e deu para eu entender sobre a história. Parabéns pelo post. Bjs ✌😙😍😂❤👍😘

  7. Ruth

    24 de junho de 2017 at 18:30

    Quando vi o trailer fiquei super curiosa, achei tão lindo o jeito que tudo é feito, parece que tem muito amor nisso tudo! Parabéns pelo texto você escreve muito bem!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Música

Atração confirmada no Rock in Rio Demi Lovato anunciou hoje (20) mais um show em São Paulo. Ela que está com a turnê HOLY...

Filmes

O cinema pode ser uma ferramenta  maravilhosa de quebrar preconceitos e conscientização, assim como todas as outras áreas da arte O amor deve ser...

Séries/TV

Dia 22 estreou mundialmente Heartstopper, produção da See-Saw Films para a Netflix baseada na webcomic original homônima de Alice Oseman, e não poderia ser...

Música

O Rock in Rio surgiu em uma época onde o país passava por mudança, a esperança renascia, e soube se modernizar para o mundo...

Advertisement