Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Maria Madalena

Uma das mais devotas seguidoras de Jesus, Maria Madalena aparece no cinema frequentemente reduzida à imagem de uma mulher adúltera. Filmes como “Jesus Cristo Superstar” (Jesus Christ Superstar, 1973), “A Última Tentação de Cristo” (The Last Temptation of Christ, 1988) e “A Paixão de Cristo” (The Passion of the Christ, 2004) figuram entre os mais famosos exemplos dessa representação.

A confusão teve início em 591 d. C. Durante uma de suas homilias, o papa Gregório Magno associou Madalena a outra personagem do Evangelho de Lucas, uma prostituta. No contexto de seu discurso, o cristianismo tentava decidir se mulheres poderiam ou não receber a ordem sacerdotal. A vinculação da discípula a práticas condenadas pela Igreja e a consequente negação de seu papel como apóstola atendiam, portanto, a objetivos estratégicos. Apesar da condição de santa estabelecida no século XIX, a imagem anterior de uma libertina convertida povoa até hoje o imaginário popular.

Diante desse equívoco milenar, “Maria Madalena” (Mary Magdalene, 2018), novo longa-metragem da Universal Pictures, propõe-se à difícil missão de reconstruir uma figura histórica. O filme apresenta, dessa forma, a jovem Maria (Rooney Mara), nascida em Magdala, como a mais lúcida dentre os seguidores de Jesus de Nazaré (Joaquin Phoenix). Sua fé inabalável e sua caridade irrestrita servem de ensinamento até mesmo para Pedro (Chiwetel Ejiofor) e os demais apóstolos, movidos quase exclusivamente pela esperança de uma recompensa divina.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A importante iniciativa revisionista, contudo, perde sua potência nas mãos de Helen Edmundson (estreante no cinema) e de Philippa Goslett (Poucas Cinzas: Salvador Dalí, How to Talk to Girls at Parties). Ao abusarem de diálogos autoexplicativos e de cartelas e letreiros desnecessários, as roteiristas britânicas aproximam-se das narrativas televisivas e reservam, assim, pouco espaço para uma linguagem propriamente cinematográfica. O didatismo, característica maior de seu texto, manifesta-se, entretanto, com ainda maior intensidade no tratamento sonoro do longa-metragem.

Assinada pelo recentemente falecido Jóhann Jóhannsson (Sicario: Terra de Ninguém, A Teoria de Tudo, Os Suspeitos, A Chegada) e pela também islandesa Hildur Guðnadóttir (Strong Island), a trilha musical ininterrupta tenta constantemente guiar as emoções dos espectadores e imprimir uma certa grandiosidade aos eventos retratados. A pretensa imponência desse recurso contrasta-se com a modesta direção de Garth Davis.

Capaz de transitar entre o sentimentalismo kitsch de “Lion: Uma Jornada Para Casa” (Lion, 2016) e a beleza sutil de “Top of the Lake” (2013), o cineasta australiano opta por uma contida abordagem, traduzida em atuações genéricas e em um visual de tons pastéis. As performances de Mara e Phoenix permanecem, desse modo, na zona de conforto dos atores, ao passo que a fotografia de Greig Fraser (Lion: Uma Jornada para Casa, Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo, Rogue One: Uma História Star Wars, A Hora Mais Escura) e o figurino de Jacqueline Durran (Anna Karenina, Desejo e Reparação, A Bela e a Fera, Orgulho & Preconceito) transmitem a aridez do deserto com paletas dessaturadas.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Em seu anseio por resgatar a verdadeira trajetória de sua protagonista e livrá-la de preconceitos e machismos históricos, “Maria Madalena” consiste, por fim, em uma produção repleta de boas intenções. O elogio, porém, não se repete em relação ao superficial resultado. Ainda que constitua um acerto a ênfase na não conformidade entre a personagem e o papel social esperado das mulheres de seu tempo, chama atenção a falta de repertório dos realizadores. Como consequência desse vazio criativo, qualquer tentativa de discurso metafórico fica perdida em meio a um universo óbvio e linear. Passadas, então, suas duas longas e enfadonhas horas, pouco resta no filme além do interessante tema, preguiçosamente enunciado por cartelas explicativas.

* O filme estreia dia 15, quinta-feira.

Advertisement. Scroll to continue reading.

 

Reader Rating0 Votes
0
4
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Em 2019, A Warner/DC viu seu filme “Coringa” receber 11 indicações ao Oscar —incluindo o de Melhor Filme — e sua estrela, Joaquin Phoenix,...

Filmes

O perfil do Instagram Cinema Magic, que tem mais de 2 milhões de seguidores, divulgou uma série de fotos onde atores aparecem ao lado...

Crítica

Em certo momento de “Coringa”, Arthur Fleck (Joaquin Phoenix) invade uma sessão de gala de “Tempos Modernos”, de Charlie Chaplin, disfarçado de lanterninha. Do...

Crítica

Para a Warner/DC não parecia uma boa ideia fazer mais um filme com foco em vilões depois de “Esquadrão Suicida”, pelo menos se o...

Advertisement