Crítica: Pokémon: Detetive Pikachu

Foto: Divulgação/WarnerBros.Foto: Divulgação/WarnerBros.Foto: Divulgação/WarnerBros.Foto: Divulgação/WarnerBros.Foto: Divulgação/WarnerBros.Foto: Divulgação/WarnerBros.Foto: Divulgação/WarnerBros.

Foto: Divulgação/WarnerBros.

Pokémon” foi um grande sucesso nos anos 90, no inicio era apenas um par de jogos lançado pela Nintendo, em 1995, que trazia uma história onde as criaturas chamadas de pokémons, eram capturadas pelos humanos através de uma pokebola, e depois treinados para combate. Em 1997, foi lançado o anime, sucesso absoluto entre as crianças e adolescentes da época. Depois disso, novos filmes em animação e jogos foram lançados, como por exemplo o jogo de sucesso Pokemon Go, e assim os pokémons nunca saíram da mente do público.

Pokémon: Detetive Pikachu”, longa da Warner Brós. que será lançado está semana nos cinemas nacionais, é o primeiro live action baseado nos personagens originais do vídeo game. No filme, o detetive Harry Goodman desaparece e faz com que seu filho Tim ( Justice Smith) vá a sua procura. Ao seu lado ele conta com a presença do pokemon Pikachu, parceiro de seu pai e que não lembra do que aconteceu antes de seu amigo sumir. Juntos, Tim e Pikachu, vão em busca de pistas pelas ruas da metrópole Ryme City.

Pokémon: Detetive Pikachu” é um longa para fãns, caso você nunca tenha assistido ou não saiba o mínimo sobre os pokemons, é grande a possibilidade de você não gostar ou estranhar o filme. O roteiro é fraco e com reviravoltas previsíveis, o começo do filme já deixa pistas muito claras de como será o desenrolar final.

Justice Smith agrada, aqui é mais comedido que seu personagem em “Jurassic World: Reino Ameado” (filme o qual lhe rendeu uma indicação ao Framboesa de Ouro). Ele conduz muito bem o filme, carismático, consegue conquistar o publico. Contudo, outros atores não vão tão bem assim, como por exemplo Ken Watanabe, que possui um personagem que não acrescenta em nada ao filme, e Bill Nighy, que apesar de ótimo ator, é pouco aproveitado.

Em aspectos estéticos, o longa chega próximo a perfeição. A recriação do personagens do anime, que os traz para o mundo real é digna de aplausos, tanto pela fidelidade, quanto pela qualidade, temos aqui um trabalho de excelência com o CGI e a arte.

Foto: Divulgação/WarnerBros.

Outro grande destaque do filme é dublagem original de Pikachu, feita por Ryan Reynolds, que por sua vez é excelente e traz o carisma do ator para o personagem (lembrando que esse aspecto pode ter uma analise diferente na versão dublada). Ryan também é  responsável por grande parte da diversão do longa.

Vale falar também sobre a trilha sonora, esta que lembra muito filmes de suspense e  traz um toque ocidental, incorporando o espectador para dentro do filme. O público adolescente e principalmente as crianças terão um prato cheio com as cenas envolvendo a participação de vários pokémons, principalmente nos momentos finais e é claro, quando tocar a música clássica do anime.

No mais “Pokémon: Detetive Pikachu” é um longa com história previsível, dentro de um roteiro que poderia ser melhor trabalhado, para evitar os clichês clássicos. No entanto, conta com um protagonista cativante e uma trilha sonora agradável e nostálgica. Com certeza deve agradar as crianças e aos fãs dos animes e dos jogos.

Pokémon: Detetive Pikachu” estreia nos cinema nacionais amanhã, 9 de maio.


Por Eduardo Chaves


Fotos e Vídeo: Divulgação/WarnerBros.

Crítica: Pokémon: Detetive Pikachu
6Pontuação geral
Votação do leitor 0 Votos
0.0