Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Valerian e a cidade dos mil planetas

Não muito além de um belo visual

Já tem um tempo que o mercado cinematográfico se apoia em outros tipos de produtos para poder construir suas histórias. Há anos que a literatura serve de suporte para os estúdios, apresentando conteúdos originais que são adaptados e levados às telonas. Contudo, essa necessidade cresceu exponencialmente de uns tempos para cá, uma vez que o cinema passou a se sufocar com enredos repetitivos, continuações forçadas e/ou remakes desnecessários. Todavia, a literatura e seus romances não foram os únicos a serem sugados pela indústria dos filmes. Histórias em quadrinhos, peças teatrais, projetos televisivos, youtubers, e até brinquedos passaram a ser alvo de produções interessadas em expandir seus horizontes e alavancar suas bilheterias. Todavia, no meio disso tudo, existe um fato que não podemos deixar de lado: nem sempre uma adaptação vai conseguir representar de forma fiel, a ideia traçada originalmente por outro conteúdo. Afinal, não é todo dia que conseguimos extrair uma boa trama de um boneco – por exemplo. Entretanto, pegar um projeto que possui uma narrativa impressionante, que serviu até mesmo de inspiração para outras grandes ideias, e enfraquecê-la com clichês e frases forçadas, acaba sendo de uma grande tristeza. E é basicamente isso que acontece com “Valerian e a cidade dos mil planetas”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Adaptado da série de quadrinhos franceses “Valérian, agent spatio-temporel” – posteriormente rebatizado como “Valerian e Laureline”,  escrita por Pierre Christin e ilustrada por Jean-Claude Mézières, o filme aporta hoje aos cinemas mas não atende completamente às expectativas dos fãs da HQ. A partir de uma trama fraca, acompanhamos o “casal” de agentes espaço-temporais – Valerian e Laureline – em uma difícil missão em busca de um raro conversor capaz de multiplicar qualquer coisa. Concedida pelo ministério da defesa, a fim de impedir que o mesmo caia nas mãos erradas, a tarefa desperta a atenção de outros seres causando uma perigosa batalha que coloca em risco a gigantesca Estação Alpha, um lugar protegido pelo governo e habitado por uma infinidade de espécies de diferentes planetas.

Com uma impactante produção liderada por Luc Besson, o mesmo responsável por “O Quinto Elemento” e “Lucy”, sua esposa Virginie Besson-Silla (“Jack e a Mecânica do Coração”) e Camille Courau (“Carga Explosiva: O legado”), o filme nos apresenta o que há de melhor em efeitos gráficos e captura de movimentos, construindo perfeitamente o visual exuberante ostentando pelos quadrinhos. Eles conseguiram transpor com sucesso toda a beleza do lugar, mantendo a diversidade em relação das personagens e ainda a atmosfera asfixiante dos ambientes.

Infelizmente, o mesmo não pode ser dito do roteiro do próprio Besson. O mais interessante é que o artista é um fã declarado da história original, lançada pela primeira vez em 1967, tendo usado diferentes elementos dessa para compor um de seus grandes sucessos, o sci-fi “O Quinto Elemento”. A trama, que já foi usada também como inspiração para a construção do universo “Star Wars”, acaba sendo mal aproveitada por Besson que opta por uma narrativa que deixa a desejar em vários aspectos. Diferente de outros projetos que já escreveu, o roteirista abraça aqui uma sequência de diálogos forçados e uma estrutura que não encaixa. A todo instante temos a sensação de que algo está fora do lugar, seja um personagem mal utilizado ou uma cena que fica sem complemento.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Luc Besson também assina a direção, todavia aqui ele prova que sabe o está fazendo. Junto com o belíssimo trabalho desenvolvido pela fotografia de Thierry Arbogast, somos bombardeados por infinidade de cores muito bem aplicadas e enquadramentos que valorizam a obra em um todo. Com uma infindável seleção de movimentos de câmera, que nos fazem lembrar de uma bom passeio de montanha russa (principalmente se a sessão for em 3D), e sequências de tirar o fôlego, a intensidade dramática é bastante favorecida nesse ponto. Um acerto que pode ser direcionado também a balanceada trilha sonora desenvolvida pelo francês Alexandre Desplat.

Já o elenco, esse não funciona em nenhum momento e acaba sendo a grande decepção no filme. Dane DeHaan (“A Cura”), é esforçado e até tenta encarar sua personagem da melhor forma, ponderando detalhes em sua atuação que a deixa mais confortável e aceitável para o público. Mas quem conhece a história original, vai perceber que o ator não convence como Valerian. Sem falar que ele não tem porte de galã, algo que o personagem necessita bastante. Outra que não diz para o que veio – mais uma vez – é Cara Delevingne (“Esquadrão Suicida”). Novamente ela oferece uma interpretação insossa, apresentando caras e bocas repetitivas, que levantam a dúvida se ela está sorrindo, sofrendo, apaixonada ou dezenas de outras emoções?! Ethan Hawke e Rihanna também ficam a desejar, com uma participação menos constrangedora. Já Clive Owen, esse tenta vestir a camisa em um personagem que poderia ser mais sério, mas no decorrer o que vemos é apenas mais uma caricatura. Uma pena não podermos aproveitar, verdadeiramente, ninguém nesse elenco.

Não obstante, os excelentes departamentos de arte e figurino fazem de tudo para manter a fidelidade do original e nos encantam com um incrível trabalho, perfeitamente equilibrado com a fotografia e efeitos. O desenvolvimento dos cenários – em destaque o mercadão e a Estação Alpha – é um dos pontos altos da produção e não perdem em nada para outros projetos de grande sucesso, como o próprio “Star Wars”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Valerian e a cidade dos mil planetas” é um deslumbrante universo que pode até perder a força com um roteiro pífio e um elenco nada cativante, mas vale o ingresso – principalmente se você está em busca de um passatempo divertido e/ou curtir um visual estonteante nas telas.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Produção
8
Roteiro
4
Direção
8
Fotografia
8
Direção de Arte
8
Figurino
7.5
Elenco
3
Reader Rating0 Votes
0
6
Written By

Daniel Gravelli é um brazuca que parle français e roda uns filmes por aí. Apaixonado pelos universos da escrita e da atuação, tem um caso com o teatro e morre de amores pelo cinema. Fotógrafo e crítico nas horas vagas, gosta de cozinhar, apreciar um bom vinho e trocar ideias interessantes.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Papo acontecerá dentro da 16ª Edição do Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro As Lives de Cinema do Projeto de Extensão Aruandando no Campus estão...

Listas

Os quadrinhos de uma turma que atravessa gerações As histórias daquela menina baixinha, gorducha e dentuça, ensinou milhares de brasileiros a gostar de ler....

Crítica

Quando alguém pensa em fazer um filme como “A Guerra do Amanhã”, provavelmente não se preocupa com um roteiro que faça algum sentido logicamente...

Filmes

Marte é realmente o próximo destino da humanidade, que ensaia sua ida ao planeta há anos por meio de envio de satélites e robôs....

Advertisement