Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Welcome to Chechnya

Welcome to Chechnya 5
Imagem: Divulgação/HBO

Welcome to Chechnya 7
Imagem: Divulgação/HBO

Em alguns países, ser da comunidade LGBT+ pode significar a morte. Frases deste tipo estão relacionadas a sociedades atrasadas de décadas passadas, e não ao supostamente progressista século 21. No entanto, há lugares, (o Brasil está entre eles), em que a violência contra lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e intersexuais é evidente e em números absurdos, mesmo que o preconceito seja velado. Por isso que é cada vez mais importante que as denúncias sejam feitas pela imprensa ou por formas de expressão, como o cinema, para que a justiça seja feita e a reforma de pensamento chegue a todos.

Denunciar e buscar justiça, além de mostrar o sofrimento de uma minoria tão maltratada, é o que pretende o ótimo documentário “Welcome to Chechnya”. O filme, do cineasta norte-americano David France, segue um grupo de ativistas que trabalha para ONGs responsáveis em esconder e pedir asilo para pessoas perseguidas por causa de suas orientações sexuais. Suas atividades concentram-se especialmente em dois países: Chechênia e Rússia. O primeiro é comandado por Ramzan Kadyrov, que é praticamente um serviçal do famoso déspota Vladimir Putin, obviamente, líder do segundo. Os dois pregam sociedades voltadas às famílias, com a religião e os bons costumes em suas bases. Por isso, ser da comunidade LGBT+ é ultrajante e merece punições como a humilhação, tortura e morte. Algo parecido acontece em um enorme país da América do Sul, inclusive.

Welcome to Chechnya” é corajoso ao mostrar como as vítimas são abordadas, presas e torturadas até a morte, ou quando elas simplesmente desaparecem em nações que são regimes autoritários amparados pela violência. É difícil segurar o choro ao ver todas essas situações, principalmente porque há a inclusão de vídeos caseiros e de câmeras de segurança com todos os tipos de atrocidades, inclusive um contendo o assassinato de uma jovem, provavelmente lésbica, que é morta pelos membros de sua própria família. O ato em sim não é mostrado explicitamente, é claro, mas choca da mesma maneira.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Welcome to Chechnya
Imagem: Divulgação/HBO

O perigo é extremo, no entanto, os realizadores do documentário escolheram não tampar totalmente os rostos das vítimas e sim alterar suas feições por uma técnica digital, o que não retira totalmente a identidade de pessoas que já perderam tudo. A alteração dos rostos pelo computador ainda gera uma cena emblemática: quando o jovem gay Maxim Lapunov decide denunciar os crimes do governo checheno para a imprensa e para a justiça Russa, a manipulação digital é retirada de seu rosto lentamente enquanto ele dá uma entrevista coletiva. É emocionante o momento da libertação de uma de suas prisões, já que antes ele vivia com medo e mudando de esconderijos para poupar sua vida e de seus familiares.

Welcome to Chechnya” deveria ser mostrado em escolas e universidades e servir como material de apoio à educação moral, política e humana. Porque só com a educação e a empatia que o sofrimento terminará. De outra forma, haverá um novo tipo de refugiados. Um que também pode emigrar por causa de guerras e da pobreza, mas ainda tem que fugir de países cujo governos tratam aqueles com orientações sexuais diferentes das tradicionais como sub-humanos.

Se você quer ajudar, acesse o site lgbtnetwork.org.

Este filme faz parte da programação da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Vídeo e Imagens: Divulgação/HBO

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

O documentário em duas partes do diretor premiado com o Oscar Alex Gibney, “The Crime of The Century” estreia em maio na HBO e...

Premiações

O Globo de Ouro 2021 revelou a lista de indicações recheada de produções do streaming, além de trazer Chadwick Boseman indicado na categoria “Melhor...

Séries/TV

De acordo com o site Variety, Alicia Vikander (“Lara Croft: A Origem”) está se juntando ao diretor independente francês Olivier Assayas para a série...

Séries/TV

O segundo de dois episódios especiais da série dramática da HBO vencedora do Emmy, “Euphoria”, chegará às telas no dia 24 de janeiro de...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.