Connect with us

Hi, what are you looking for?

Literatura

Resenha: Boneco de Pano, de Daniel Cole

“Um corpo, seis vítimas”.

A chamada encontrada logo na capa de “Boneco de pano” mostra preliminarmente que já temos um mistério nas mãos antes mesmo de abrirmos o livro. Se o intuito era chamar a atenção do leitor, Daniel Cole teve êxito em sua tarefa.

Willian Oliver Layton-Fawkes já chegou a ser um renomado detetive. Mas por surtar em um julgamento, cujo réu – capturado por ele – havia sido inocentado, Fawkes foi afastado judicialmente de suas funções, reassumindo seu cargo – agora sem tantas condecorações – alguns meses depois. Nesse período de afastamento, ele foi preso por tentativa de homicídio, depois internado em uma clínica psiquiátrica e acabou levando um sublime pé no traseiro de sua linda – e atual ex – esposa Andrea Hall.

Wolf, como ele era chamado entre os colegas de trabalho, por causa das iniciais de seu nome, ficou famoso por agredir em pleno julgamento o homem conhecido como “O Cremador”, um dos maiores serials killers de toda história londrina. Certo de que ele era culpado pelas 27 mortes (em 27 dias), viu-se despedaçado quando a sentença saiu a favor do encriminado. Não acreditando no que tinha visto e ouvido, partiu para cima de Naguib Khalid (o Cremador) a fim de fazer justiça com as próprias mãos. Pondo sua própria carreira à prêmio, Wolf acabou tendo que fazer um tratamento psicológico. E depois desse episódio fatídico em sua vida, ele estava de volta à cena policial e queria mostrar que ainda era tão bom quanto fora outrora.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Voltar, inspirava novidades. E agora ele assumia um novo e complicado caso. Certa noite, acordado pela sua (ex) parceira de trabalho, Emily Baxter, Wolf é chamado para mais uma cena de crime. O diferencial dessa vez? Tudo tinha acontecido a metros do seu apartamento e ninguém viu absolutamente nada. No local, onde o corpo havia sido encontrado não havia uma única gota de sangue, e o mais bizarro de toda situação, é que ao se aproximar da vítima, tanto Wolf, quanto Emily puderam perceber, que na verdade, não se tratava de um só corpo. O que eles tinham em mãos era algo muito mais bizarro.

Amarrado no teto, como uma espécie macabra de marionete, o que eles viram foram partes de diferentes pessoas montando um grotesco boneco humano. À primeira vista, conseguiam identificar que eram homens e mulheres de diferentes idades, etnias e tamanhos. Mas quem eram? E como alguém podia ser louco o suficiente para cometer aquele tipo de atrocidade?

E como já diz o ditado, “não há nada tão ruim, que não possa piorar”. Para dar mais um climax nessa caçada policial, Andrea Hall, a ex mulher de Wolf e também repórter da televisão local, recebe uma lista com mais seis nomes de pessoas que serão assassinadas nos próximos dias. Tal lista também continha as datas e os horários. E adivinhem quem era o número 06?! Willian Oliver Layton-Fawkes. Iniciada a caçada, Fawkes tinha um motivo bem maior do que descobrir quem cometeu esses crimes e salvar sua carreira. Ele precisava, acima de tudo, salvar a própria pele.

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Boneco de pano” é o clichê daqueles trailers americanos. Temos a delegacia de polícia e seus detetives com suas particularidades. Temos cenas de crimes improváveis, bem como assassinos improváveis. Cenas de perseguição, mistério e tensão. Alguns pontos para deixar o clima mais tênue e muitos, muitos personagens. Inclusive, esse excesso de personagens em obras desse tipo, são deveras importantes, visto que deixa o leitor confuso – propositalmente – já que são usados como recursos linguísticos. Afinal, quanto mais pessoas, mais suspeitos, mais mortes; mais ação.

Uma curiosidade sobre a obra, é que inicialmente, ela fora escrita não para virar um romance policial, mas sim uma série de televisão. E talvez isso tenha atrapalhado um pouco o desenrolar dos detalhes. A sensação, é que falta algo. Talvez um contexto histórico ou um perfil psicológico dos personagens, visto que eles começam tudo “já sendo”.  E talvez, essa obra pudesse ter, ou até mesmo ser, continuação de outra.

Emily, por exemplo, tem um problema que só Wolf sabe. E isso só é apresentado para o leitor depois de muitos capítulos – mais da metade do livro.  O autor lança a bola, mas não marca o gol. O problema é mencionado como um au passant. Mas não diz quê, nem porquê. E muito menos se será solucionado. Assim como o próprio Wolf tem um perfil bastante peculiar que fica só na imaginação do leitor o motivo dele ser assim.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A história não é de todo ruim. E a metodologia como o vilão foi construído, foi bem-feita e bem direcionada. No entanto, não é um enredo para um livro só. O que, para quem gostou da obra, temos uma boa notícia: Willian Oliver Layton-Fawkes será o personagem de mais um livro, que talvez, explique o que ficou a desejar em “Boneco de pano”.

Para um estreante, Daniel Cole talvez tenha dado uma bola dentro. Afinal, nós seres humanos, meros mortais, somos – ainda que não assumamos – movidos pela curiosidade. Logo, ter nas mãos um crime, um mistério, e um assassino para descobrir, faz com que Cole tenha acertado em cheio nesse exórdio.

Então, Booklanders: Estão entediados, está faltando emoção? “Boneco de pano”. O livro saiu esse ano e foi publicado pela Editora Arqueiro. São 336 páginas de pura adrenalina.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating0 Votes
0
7.5
Written By

Érica nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, mas deveria ter nascido nesses lugares onde se conversa com plantas, energiza-se cristais e incenso não é só pra dar cheirinho na casa. Letrista na alma, e essa bem... é grande demais por corpinho de 1,55 que a abriga. Pisciana com ascendente E lua em câncer. Chora quando está feliz, triste, com raiva e até mesmo com dúvida. Ah! É uma nefelibata sem cura.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Crítica

Logo no início de “Entre Facas e Segredos”, há um plano-detalhe da caneca usada por Harlan Thrombey (Christopher Plummer) para tomar seu café-da-manhã, em...

Filmes

“Entre Facas e Segredos” chega aos cinemas brasileiros em novembro Inspirado pela escritora britânica Agatha Christie, o cineasta Rian Johnson (de “Star Wars: Os...

Reviews

Um emblemático quebra cabeça, no qual as peças se confundem antes de ganharem coesão. “Dark”, uma produção Alemã dentro da Netflix, surpreende pelo envolvente...

Literatura

“Há silêncios que parecem chumbo. ” O já conhecido e aclamado detetive Remo Bellini está de volta. E nesse novo mistério, além de lidar...

Advertisement