Cidade dos Ossos é o livro de abertura de uma série, Instrumentos Mortais, da escritora Cassandra Clare. Dizem que a história é uma fanfic de Harry Potter. Eu não sei enxergar tão bem os elementos de conexão, já que não sou muito fã da franquia da J.K. Rowling (vergonha, eu sei), mas mesmo para olhos leigos como os meus, é possível ver uma conexão.

O livro conta a história de Clary, que aparentemente é uma menina perfeitamente normal. Certo dia, ela sai com o melhor amigo para uma boate nova yorkina. Mas então, de repente, ela se vê perdida no meio de fadas, anjos, nephilins, feiticeiros, vampiros, lobisomens, videntes, demônios, caçadores e etc. Sim, tudo de uma vez só. Para que contar só sobre vampiros ou escrever só sobre anjos? Vamos colocar tudo no liquidificador e ver o que saí…

Parece loucura, mas eu juro que saiu uma coisa MUITO BOA.

Logo de cara, não simpatizei muito com a protagonista. Talvez isso se deva ao fato deu odiar quando os livros têm protagonistas muito “jovens” com mente “velha” (como, por exemplo, Percy Jackson) e esse é o caso da Clary. Ela tem 15 anos, mas poderia se passar por uns 18 fácil, apesar dos seus momentos de 3 anos de idade.

Por outro lado, Jace me cativou tudo que Clary não fez. Para quem adora um sarcasmo, o Jace é crush certo. De 10 palavras que saem da boca dele, 9 estão pingando de ironia e uma é conectivo. hahahaha. As conversas entre ele e a Clary são ótimas, especialmente nas partes II e III do livro, quando eles já se conhecem melhor e convivem.

— O que você está fazendo aqui, afinal?
— Aqui, referindo-se ao seu quarto, o aqui, referindo-se à grande questão espiritual do propósito da vida neste planeta?
Clary e Jace, Cidade dos Ossos

Os outros personagens relevantes para esse primeiro volume são Isabelle (chatinha que acaba sendo suportável no final), Alec (chatinho que tem algum tipo de fundamento para ser assim), Simon (grudento, mas fofo), Luke (melhor amigo da mãe de Clary, que esconde um segredinho. Um só não, alguns) e a mãe de Clary (que é a rainha dos segredinhos).

O final do livro me deixou chocada. Sério. Eu achei que o que eu fiz com os meus personagens em Mocassins e All Stars já foi maldade suficiente, mas o que Cassandra Clare fez coloca minha maldade no chinelo. Não está entendendo nada, né? Bom, prometo que não vou falar, porque é o maior spoiler do planeta. Mas acreditem: vocês também ficarão passados. Tudo bem que no livro inteiro surgem algumas “pistas” do que acontece no final, em alguns momentos olhos atentos podem captar alguma coisa no ar… Mas a gente sempre acha que coisas bizarras desse nível não podem acontecer, né?

Pois é, podem. No universo de Instrumentos Mortais, tudo é possível.

A saga ganhou filme e série produzida pelo Netflix, o que já é um caso a parte e já debatemos aqui no Literando. Ela tem seis livros (além de dois extras, que são as Crônicas de Bane e Codex dos Caçadores das Sombras). Todos eles valem muito a pena, na minha opinião. O que vocês acham? Já leram? O que acharam?

Por Clara Savelli