Escrevo diários desde meus treze anos de idade. Foi a maneira como descobri de me desconectar do mundo – viu e cruel – e me conectar comigo mesma. Escrever, mais do que fuga, tornou-se um processo de autoaprendizagem. Hoje, contando com treze cadernos de dez matérias cada um, tenho minha vida toda documentada em histórias tristes – a maioria delas, afinal histórias tristes é que dão um bom romance – e histórias felizes, claro. Porque se é bom, cabe e vale a lembrança.

Mas porque estou falando isso? Porque o Literando de hoje vem reflexivo, existencial, curioso e dicotômico. Vamos falar de vida, muita vida. Mas também de como nossas ações são cruciais para o tipo de pessoas que queremos ser. Ou que já somos… E bem… ter um diário é ótimo para fazer esses parâmetros.

Aprecio aqueles que os escrevem. Logo, acho que gosto muito de mim.  E portanto, essa resenha sairá um pouco diferente das primeiras. Acho que deixei empolgar-me pelo gênero. E acredito que é válido esse tipo de narrativa. Portanto, “vamos al que me gusta!”

Mario Benedetti é um autor Uruguaio, e apesar de minhas leituras serem voltadas para esse âmbito mais latino, nunca tinha lido nada de seu. “A Trégua” foi lançado no ano de 1960, mas a edição lida veio de uma coleção de 25 obras Ibero-Americanas, lançada pela Folha de São Paulo.  Uma ótima coleção, diga-se de passagem.

Nela, o autor trabalha com o gênero diário. E por se tratar de tal modo narrativo, raras são as vezes que o, até então, escritor/narrador, fala de si na terceira pessoa. Na verdade, tudo o que nos é dito de começo, é que ele resolve escrever um diário para relatar o ano que antecede sua aposentadoria.  E esse “ele” só recebe uma alcunha no sétimo dia de escritura – 23 de fevereiro – no qual se intitula: Martín Santomé.

“Santomé”, é um sobrenome que tem origem cristã,- o que é comum nos países de fala hispânica – vem de “São Tomé”, o santo – antes de tornar-se santo –  àquele que apenas acreditava nas coisas que via. Ao longo da narrativa, Martín demonstra algo tipo. Apesar de ser um funcionário público exemplar, prestes a conseguir a, nem tão, desejada aposentadoria; escreve o diário como uma espécie de auto avaliação do: “então?! o que vou fazer agora?”. Como se quisesse ser pôr à prova do: “consigo seguir diante.”.

Dado importante e que faz toda a diferença ao longo da história, é que Martín Santomé já está com seus quase cinquenta anos. E a problemática está envolta em o que se há de fazer nos momentos de ócio obrigatório.

Viúvo, pai de três filhos [dois homens e uma mulher], ele quebra o paradigma de que diários são escritos por mulheres. O fato ser homem, de ser mais velho, e de estar no auge de seus conflitos, na minha opinião, faz até com que sua escrita seja até mais sensível que a de uma mulher. Sinceramente, eu não sei se escrevo sobre mim tão bem assim.

Quando Santomé fala da falecida esposa – Isabel- sua saudade é mais carnal do que sentimental. Seus corpos encaixavam-se de maneira única, a aura era tão sexual entre os dois que essa vem a ser a sua única lembrança concreta e da qual, parecia falar sem pudor. Do rosto de Isabel, ele não lembrava [à princípio].

Isabel não era um clichê. Isabel era volúpia e a memória de Santomé que já não existia mais. No entanto, mesmo sem recordar, a sua não-existência fazia-o questionar algo muito mais etéreo e passível de discussão: Deus existe, e o “não-porquê” da morte. Afinal, ele mesmo conta em seus escritos, que a morte era apenas extensão da própria vida, nada tão natural quanto. Mas das lembranças, bem, não eram recordações de fatos, cartas e falas. Era algo muito maior; tratava-se de uma auto-reconstrução, um retrato falado da memória.

Mais tarde, dos escritos de Isabel, vinham também recorte da vivência com seus três filhos, Blanca, Esteban e Jaime. Jaime era o seu preferido, Esteban o mais arredio, mas era Blanca que o fazia recorda-se de si mesmo. No final descobrimos que Jaime é homossexual e sai de casa depois de um rompante com seu pai. E das ironias do livro, a pelea se dá justo no momento em que pai e filho mais pareciam se entender.

Como se trata de um diário, é certo que as situações não seguem uma ordem linear. Às vezes, sim conta-se coisas do dia-a-dia, como ofícios do trabalho ou encontros casuais com amigos de infância, mas em sua grande maioria, o “recheio” dessa narrativa gira ao redor dos recôncavos da memória. Isso até o momento em que ele começa a reparar em sua nova funcionária: Avellaneda.

E daí a escrita fica muito, mas muito mais intimista. Avellaneda é a entrelinha de Santomé. E os dois são tudo que fazem esse romance valer apena.

A Trégua pode ser uma obra arrebatadora e angustiante, mas com certeza faz vários mecanismos dentro da sua cabecinha pensarem: “o que eu estou fazendo da minha vida agora?”. Vale a dar uma chance. E quem sabe você não começa seu diário também?!


Vakinha

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Kinha Fonteneles

Érica nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, mas deveria ter nascido nesses lugares onde se conversa com plantas, energiza-se cristais e incenso não é só pra dar cheirinho na casa.
Letrista na alma, e essa bem... é grande demais por corpinho de 1,55 que a abriga.
Pisciana com ascendente E lua em câncer. Chora quando está feliz, triste, com raiva e até mesmo com dúvida.
Ah! É uma nefelibata sem cura.

Previous Crítica (3): Cães Selvagens
Next O dia que entrou para a (sua) história

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close