Já parou para perceber que tem dias que parecem todos iguais. Ao fazermos tudo no automático nem percebemos o quanto estamos dentro de uma rotina que mesmo querendo sair dela, não conseguimos. Ela nos aprisiona, não nos deixa pensar fora da caixinha. Às vezes, a rotina – ter hábitos – é necessário, porém há momentos que precisamos sair dela e vermos o mundo de uma forma diferente.

Por mais que cair na rotina não seja para qualquer um. Ela pode ser um circulo vicioso, pode não ter fim… A gente acorda, vai trabalhar, come, encontra os amigos, estuda e dorme.

Mas, será que rotina é mesmo ruim? Ou depende do ponto de vista? Há pessoas que adorariam ter uma vida toda certinha, sempre sabendo o que vai acontecer amanhã, quais serão os seus afazeres. Tudo programado!

Talvez, uma definição de rotina pode ser tudo o que a gente precisa. Quando procuramos no dicionário, encontramos isso:

“Rotina (ro.ti.na) s.f. 1. Sucessão de atos e procedimentos que se manifestam por força do hábito, como que mecanicamente; 2. Prática ou uso a ser observado regularmente; 3. Fig. Aversão ou resistência às inovações, ao progresso, conservadorismo.”

Ou seja, a palavra rotina tem mais de um sentido, e é nisso que temos que nos apegar. A força do hábito é uma das suas principais definições, o que não é para menos já que a força do hábito é o que nos move. Nós, seres humanos, temos diferentes hábitos, uns bastante comuns, outros nem tanto, muitos até bem estranhos, mas são hábitos que quase nunca são deixados de lado.

Por isso, por que não criar uma nova definição de rotina? Vamos lá!

“Rotina (ro.ti.na) s.f. 1. Fig. Estado de inércia.”

Talvez, essa seja uma definição até um pouco mais figurativa do que a terceira definição dada pelo dicionário, até mesmo parecem se completar.

Porém, precisamos pensar que a rotina é um estado de inércia que de vez em quando é preciso ser quebrada, sair dela. Lembra quando falamos em pensar fora da caixa?

Porém, isso não quer dizer que a rotina é algo ruim. Ruim é cair na rotina, se ver e fazer as coisas sempre iguais, da mesma maneira. Sem nunca mudar nada, vivendo uma vida chata, sem graça. Mas, é preciso ter cuidado, uma vez que o que é chato para mim, pode não ser chato para você. Cada qual com a sua própria definição de chatice.

Além disso, ter uma rotina não quer dizer que estamos fazendo tudo igual. Quer dizer simplesmente que temos algo para fazer, temos compromissos a serem compridos e que são necessários.

Mesmo nesse estado de inércia, podemos ter novidades. De vez quando, mudar um pouco é preciso. Ou seja, ao invés de acordar, ir trabalhar, comer, encontrar os amigos, estudar e dormir, que tal ouvir uma música no meio disso de vez em quando? Pode parecer uma coisa boba e muito pouca, mas pode fazer toda a diferença!

Rotina, uma palavra que muitos não gostam, fogem dela. Falam que preferem viver um dia como se fosse o último. Afinal, para que fazer sempre a mesma coisa todos os dias? Mas, quem disse que isso também não faz parte da rotina? É uma rotina que nunca se faz a mesma coisa sempre. Em que o hábito de se mostrar em constante mudança é preciso, um mal necessário.

Viver na rotina não quer dizer que seja ruim, pode ser bom também, tudo depende do ponto de vista. Por isso, pense, reflita bastante, e responda: o que é rotina para você?

Afinal, no mundo em que vivemos hoje, viver na rotina em que nada se muda pode ser perigoso. Aprender coisas novas e criar hábitos saudáveis, criando uma rotina que vale a pena, faz toda a diferença.