14 de dezembro de 2019

Eu não devo criar expectativa
Afinal, ninguém é obrigado
Porém, não há quem tire o sossego
de um bom sentimento no peito

Não existe Werther
Muitos Bukowskis
A sociedade inteira está bebendo
Negando a sobriedade que não convém
Onde a tela do computador é mais aprazível
Que o calor de uma boa companhia

O momento é agora
O lugar é aqui
Eu faço o que vier no cucuruco
Afinal voei daquele peito que era ninho – Deus me livre gaiolas – vivo a turistar
Em todos os lugares
Bato minhas asas
Soltas e leves
Não devo nada a ninguém e ninguém me deve

No entanto, se minha asa se quebra
Só me restam folhas secas e mortas
Penso que não deveria ter abandonado aquele peito
Mas quando as asas afinam
Decido que não posso perder nada
Nada daquilo que chamam de vida boa

Não quero laços
Mas contatos
Acho que esqueci
Que os valores reais
São abstratos.

Por Letycia Miranda

Show Full Content
Previous Crítica: As aventuras de Paddington
Next O cinema francês com “A família Bélier”

2 thoughts on “Tão moderno quanto líquido

  1. Obrigada Le! Por colocar em palavras essa angústia… Venho nesse processo e sinto que não tô bem encaixada nesse tempo líquido e tão efêmero. Me sinto abraçada ao ver que não tão sozinha assim em minhas dúvidas e dores. Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Saiba o que fazer quando deixar o cachorro sozinho

12 de julho de 2017
Close