Connect with us

Hi, what are you looking for?

Especiais

Bienal do Livro: “Fake News” foi tema do Café Literário

Público lotou o espaço em plena sexta-feira à noite para a roda de conversa

As expressões “fake news” e “desinformação” se tornaram comuns em qualquer bate-papo dos brasileiros desde o ano passado. A fim de influenciar o comportamento de determinado grupo de pessoas, a desinformação é capaz de influenciar até mesmo o resultado de uma eleição. Portanto, a aceitação de informação falsa sem qualquer análise crítica traz consequências sérias para a sociedade ao redor do mundo. 

Imagem: Divulgação/Bienal Internacional do Livro (Crédito: Woo! Magazine/Amanda Moura)

Para discutir esse assunto, a Bienal do Livro reuniu no Café Literário o diretor, escritor e palestrante André Fran, o jornalista Chico Otávio e o professor da ECA/USP Clóvis de Barros Filho no último dia 6. A seguir, apresentamos os melhores momentos dessa conversa, mediada pelo jornalista Leonardo Cazes, coordenador do projeto Fato ou Fake:

Mentiras, exageros e falácias

Logo no início da conversa, Cazes coloca que apesar das fake news serem um problema na atualidade, elas não são uma novidade. E justifica sua fala citando o livro de Chico Otávio, que identificou informações falsas a partir da análise dos discursos de todos os presidentes entre João Figueiredo e Michel Temer. Sobre as diferenças entre as mentiras do passado e da atualidade, Otávio afirmou que é o alcance com o auxílio da internet, após a revolução tecnológica. Entretanto, afirma que “esse livro mostra que a mentira é antiga, que nossos políticos mentem, exageram e caem em contradição há pelo menos um século”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Otávio contou ainda sobre os projetos de checagem dos fatos dos quais participou como o Preto no Branco junto à jornalista Cristina Tardáguila, e a Agência Lupa. E foi incisivo sobre a responsabilidade de cada um no combate ao problema: “É uma epidemia que tem que mobilizar toda a sociedade. A academia, as instituições públicas, aí eu falo Justiça Eleitoral, Ministério Público, Polícia. Porque é um problema generalizado!

As fábricas de fake news

André Fran, foi questionado sobre sua experiência na produção do documentário Fake News: Baseado em Fatos Reais, que viajou o mundo em busca das origens de algumas fake news e as razões que levam as pessoas a enganar outras. Fran contou que, durante a última eleição dos EUA, os principais boatos eram produzidos por jovens da Macedônia. Sobre as razões que favorecem esses jovens a inventar tais mentiras, a principal é econômica: “é uma galera jovem, sem grana e que sabe mexer em computador”

O escritor contou ainda que eles começaram a espalhar as mensagens em grupos de Facebook com apelos para curtidas e compartilhamentos. A partir disso, foram ganhando dinheiro pelos cliques, já que as páginas são carregadas de anúncios. Daí vemos como pequenos grupos podem determinar os rumos da democracia, seja qual for a motivação. No fim das contas, segundo André, se combate mentira com verdade através de informação e educação.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Responsabilidades individuais e coletivas

Sobre se devemos responsabilizar individualmente quem compartilha fake news, além de quem a produz, o professor Clóvis de Barros Filho estabelece que é necessário entender as trocas simbólicas envolvidas nas interações online: “cada um de nós, ao viver em sociedade, temos eus na manga, definições que damos à la carte sobre nós mesmos” e essas definições estão à serviço das interações e que obedecem à critérios socialmente determinados, ou seja, quem queremos/devemos ser para quem/qual situação. Portanto, as fake news podem ser um circuito para que um indivíduo encontre uma interação e se sinta consagrado socialmente. Para Barros Filho, é preciso preparar os novos indivíduos com pensamento crítico diante dessa realidade, baseado em valores e princípios. Se isso não ocorrer, todas as iniciativas para conter o problema serão como “enxugar gelo”, decreta o professor.

Caminhos e perspectivas futuras

Para não apenas enxugar gelo, os integrantes da mesa foram unânimes no pensamento de que é necessário e urgente o investimento em educação. Segundo eles, é a educação que permitirá que as pessoas assumam uma postura crítica diante da informação que recebem, questionando e verificando a verdade. Por fim, Chico Otávio deixou uma mensagem otimista: “sou um romântico e sempre acreditei na verdade. Persigo a verdade, ela é matéria prima do meu trabalho. […] Pode ser uma busca até utópica, mas jamais vou desistir dela.” Em resumo, o jornalismo ainda tem um papel fundamental na luta em favor da verdade.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Bibliotecária, doutoranda em História das Ciências, e das Técnicas e Epistemologia. Apaixonada por cinema, séries e cultura em geral. Sem Os Goonies talvez não estivesse por aqui.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Crítica

Em 2017, o termo “fake news” foi eleito palavra do ano pelo Dicionário Oxford e desde então se encontra cada vez mais presente em...

Entrevistas

Quem via Daniela Arbex na Bienal do Livro deste ano, não imaginava que a mineira de sorriso largo estava correndo contra o tempo, por conta de sua...

Listas

Durante os dez dias da Bienal do Livro 2019, várias atrações marcaram presença para oferecer as últimas novidades do mundo literário. Afinal, foram três...

Listas

Evento terminou no último domingo (08/09), e deixou um legado importante para o futuro A XIX Bienal Internacional do Livro terminou e como sempre,...

Advertisement