Connect with us

Hi, what are you looking for?

Séries/TV

Crítica: A Louva a Deus


Apesar de ser uma série francesa e, consequentemente, o idioma causar certo desconforto para nossos ouvidos acostumados somente com a língua inglesa, ela merece a atenção dos fãs de suspense. Com uma linha de raciocínio original e que surpreende com a precisão de cada cena e pista, “A louva a deus”, disponível na Netflix, prende a atenção – e até o suspiro – do piloto ao sexto e último episódio da temporada fechada.

A plataforma, recentemente, tem aberto espaço para obras estrangeiras e não conectadas com os Estados Unidos, por exemplo, no caso de “Dark”, o Stranger Things da Alemanha e, agora, “La Mante”, como seria o título original da produção sendo retratada. Essa nova visibilidade tem o seu lado positivo, visto que, para os admiradores do mundo do entretenimento, é bom sair da zona de conforto do Tio Sam e expandir o conhecimento com novas culturas e formas de pensar.

A história contada nestas, aproximadamente, seis horas, é a de Jeanne Debber (Carole Bouquet), uma serial killer dos anos 90, que está presa há 25 anos por crimes horríveis, mas que, recentemente, tem tido seus assassinatos copiados por um imitador desconhecido. Dessa forma, seu filho Damien (Fred Testot), que trabalha como policial à paisana, será chamado para ser o chefe da investigação desse combo de homicídios relacionados com os anteriores. Jeanne, em meio a uma tentativa de se reaproximar do filho, oferece ajuda a polícia para descobrir a identidade do tal apreciador.

Advertisement. Scroll to continue reading.

No caso de Damien, que havia seguido a vida e até se casado com Lucie (Manon Azem), a ideia, a princípio, não seria boa – visto que, para todos os conhecidos, ele contava que a mãe havia morrido em um acidente de avião. Sua vida, aparentemente, era normal, até o retorno de sua mãe.

Sendo assim, ao longo dos capítulos, o núcleo restrito de personagens vai criando suas histórias e cada um demonstrando sua devida importância. Apesar do caráter de alguns serem nebulosos, gradualmente, a narrativa vai se encarregando de demonstrar sua utilidade. Diferentemente das demais séries do gênero, esta não tenta confundir o telespectador, nem gera mil teorias em sua cabeça. Apenas vai guiando o “caminho das pedras” e, junto ao grupo de detetives, a verdade virá à tona. De fato, não tem como ter certeza do rosto por trás de todos os trabalhos sanguinários, visto que, como já mencionado, as respostas vão se destacando na mesma velocidade que tiramos um band-aid apertado.

A resolução não deixou a desejar em momento algum, porém, com toda certeza, o último episódio não acompanhou o ritmo dos cinco primeiros. A adrenalina gerada na obra por inteira foi diminuída conforme chegávamos no fim do túnel e, portanto, a expectativa de uma ovação ao final não aconteceu. Isto porque, além de que uma parte do desfecho tenha sido similar ao de uma novela das seis, em que o mal é punido e que o vilão ambíguo se redime, a característica do bandido já veio sendo a resposta em outras ocasiões.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Tanto em “Scream” (2015), com Pipper Shawn, quanto em “Pretty Little Liars”, com Cece Drake/Charlotte/Charles, a questão da psicopatia no transexual já havia sido trabalhada e, sinceramente, de forma mal desenvolvida. Nas duas tentativas acima, mais parecia uma forma de despistar o telespectador e até fazê-lo focar em um único gênero, para, no final, apenas reforçar a modernidade fornecida pelos criadores de ambas as produções. No caso da “La Mante”, mesmo que a ficção não tenha sido muito enrolada e já terem colocado a questão da mudança de sexo, foi um pouco decepcionante por nos minutos anteriores ter demonstrado ser impecavelmente original.

Ademais, mesmo com bastante sangue e pedaços de corpo expostas na maior parte das cenas em que mencionavam os crimes, o final seguiu um caminho mais violento, não correspondendo com a proposta inicial de que não mostraria a tortura. Inclusive, o motivo para que a matança de Jeanne iniciasse foi revelado – algo um tanto inesperado -, fazendo parte dessa nova linha de crueldade em um nível elevado.

A proposta da série, no total, foi bastante freudiana, no quesito de que os pesadelos são criados na infância e na relação entre pai e filha. Realmente, ela surpreende em 90% do conteúdo, não decepcionando com a conclusão, mas também não chegou no ponto esperado.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating9 Votes
7
8.5
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

É da Cidade Sorriso e, sim, sorri de uma ponta a outra olhando para o Rio de Janeiro que, claro, continua lindo. Ama filmes de comédia romântica e suspense, chora em alguns - até porque chora, inclusive, em comercial de TV -, não curte nem um pouco terror e defende com unhas e dentes seus personagens preferidos das suas séries. Geminiana e... isso já diz tudo.

6 Comments

6 Comments

  1. Rogério Teixeira

    23 de janeiro de 2018 at 09:29

    Curti muito a série, principalmente por ver uma abordagem francesa do estilo. Mas o que me fez pirar foram as homenagens a Silêncio dos Inocentes, O Iluminado e Louca Obsessão.

    • Morg Melo

      26 de fevereiro de 2018 at 00:26

      Olá, Rogério. É, de fato, uma série que se destaca e o interessante é que quebra esse preconceito que muitas pessoas têm com obras que não sejam americanas. Fico feliz com seu comentário e volte sempre (:

    • Morgana Melo

      26 de fevereiro de 2018 at 02:20

      Olá, Rogério. É, de fato, uma série que se destaca e o interessante é que quebra esse preconceito que muitas pessoas têm com obras que não sejam americanas. Fico feliz com seu comentário e volte sempre (:

  2. Giovana Miessa

    23 de fevereiro de 2018 at 10:04

    O contexto é interessante e prende a atenção no geral, mas achei muitas gafes e pontas soltas na série, o que não curti.

    • Morg Melo

      26 de fevereiro de 2018 at 00:24

      Olá, Giovana. Acho que em toda série conseguimos achar alguns defeitos que nos marcam mais e que, infelizmente, são cruciais na nossa opinião geral da obra. Ao meu ver, o que, de fato, me incomodou foi o motivo do assassino que virou clichê recentemente. Uma série como esta merecia sair desse conflito repetitivo de outras produções. Obrigada pela sua opinião e volte sempre (:

  3. Letícia Gomes Rodrigues

    3 de março de 2018 at 01:03

    Essa pergunta tem spoiler

    No final, ela entra novamente na prisão ou aquilo é uma maneira de mostrar que ela saiu do país? Não entendi pq mostrou bastante as bandeiras em cima da porta e nenhum policial veio recebe-la.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

A cerimônia de entrega do Globo de Ouro 2021 começará às 22h, no horário de Brasília. Iremos atualizar os vencedores em tempo real. Por...

Filmes

No próximo Domingo (28) acontecerá o Globo de Ouro 2021, prêmio tido como termômetro do Oscar, e que é entregue pela Associação de Correspondentes...

Filmes

“Army Of The Dead: Invasão Em Las Vegas” é o novo longa de Zack Snyder, e um novo filme Original Netflix Os sobreviventes levam...

Filmes

Trilogia Karatê Kid e muito mais na Netflix em Março de 2021 Netflix divulgou sua lista de novidades que vão integrar seu catálogo no...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.