Marcelo e Magno Costa ainda não completaram nem dez anos de carreira no universo dos quadrinhos, mas já podem ser considerados artistas de ponta. Gêmeos, nascidos no interior do Paraná e habitantes do ABC paulista desde a adolescência, foi mais ou menos nessa época em que começaram a se embrenhar no mundo das HQs. Movidos pelo movimento crescente do mercado de quadrinhos independentes e até inspirados por Fábio Moon e Gabriel Bá (também gêmeos), os irmãos Costa começaram a produzir seus primeiros trabalhos em 2008.

Ainda decidindo que iria escrever e quem iria desenhar, surgiu o plot de “Oeste Vermelho”, protagonizada por ratos e gatos, espécie de “Maus” do faroeste. Embora fossem iniciantes, se dedicaram ao projeto de corpo e alma, levando quatro anos para concluir a obra. Tanto esmero foi recompensado, pois em 2012 eles ganharam o troféu HQ Mix de Novo Talento Desenhista. Empolgados com o sucesso inicial, ambos se jogaram em um novo trabalho, desta vez com mais velocidade. Em 2013 conseguiram que a Zarabatana Books lançasse a graphic novel “A Vida de Jonas”, projeto que havia conquistado o Proac de 2012. Considerada uma das melhores HQs dos irmãos, ela foi premiada com o Troféu HQMix de Melhor Edição Especial Nacional nesse mesmo ano.

Após mais alguns trabalhos tanto solo quanto em parceria, 2017 foi o grande ano para os gêmeos. Primeiramente foram convidados para o selo Graphic MSP para produzirem um álbum com o personagem Capitão Feio – Identidade, o qual adapta o personagem criado por Mauricio de Sousa em uma história mais livre e com perfil mais autoral. Ainda no ano passado, deixaram para lançar em dezembro, na CCXP, seu mais recente trabalho: “A Herança Becker. Com grande expectativa do público que já os prestigia e um prefácio inspirado escrito por Marcelo Campos da Quanta, os irmãos Costa brindam o mercado de quadrinhos com mais uma bela graphic novel.

Como já adianta a sinopse, “A Herança Becker” é uma história sobre ódio, medo e vingança. Mas também é uma história sobre família, perdão e – por que não? – sobre amor. A trama se desenrola a partir da morte inesperada de Hanz Becker, patriarca da família. Com isso os seus três filhos herdam toda a fortuna do pai, obviamente criando rixas entre os três por conta da divisão que cada um considera justa para si próprio. Porém, o que eles não contavam é que com a fortuna também viria um presente desagradável: o assassino do pai em pessoa. Situações e decisões mal resolvidas do passado retornam e mesmo depois de vinte anos os três precisam se unir e deixar as desavenças de lado, se quiserem continuar vivos.

O roteiro de Magno Costa é um primor de construção ao longo de 128 páginas. Com reviravoltas no tempo certo, trama bem elaborada e sem pontas soltas e personagens com boa profundidade; “A Herança Becker” tem boas pitadas de noir caracterizada pelo viés policial e o clima de suspense do início ao fim.

Reforçando a estética noir as artes de Magno e Marcelo Costa tendem para os tons escuros com boas doses de alto contraste. Cenários limpos e até inexistentes proporcionam mais foco à estrutura narrativa cujas composições de páginas e enquadramentos das cenas reforçam a aura de mistério. O estilo de traço utilizado para os personagens, estilizado e razoavelmente sujo, ficou totalmente consoante com o caráter dos mesmos. A paleta de cores com baixa saturação e oscilando entre o azul e o sépia com eventuais tons alaranjados finaliza o espetáculo visual que a obra compõe.

Com tão pouco tempo de carreira, é impressionante como os talentosos gêmeos progrediram a ponto de lançar uma HQ com alto nível de maturidade estética e dramática. Quem se beneficia somos nós, ávidos leitores de quadrinhos nacionais!


Publicado em: novembro de 2017
Editora: Zarabatana Books
Licenciador: Magno Costa e Marcelo Costa
Categoria: Graphic Novel
Gênero: Alternativo
Status: Edição única Número de páginas: 128
Formato: (20 x 28 cm)
Colorido
Capa dura ou brochura
Preço de capa: R$ 92,00