Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Doutor Sono

Imagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Para a nova geração, “O Iluminado” talvez seja um filme pouco convidativo diante da forma que o cinema era feito há quase quarenta anos. Um clássico, o longa tem uma pegada cult que não se encaixa no gosto popular da atual geração, a mesma que se apega a filmes que divertem mais do que apresentam em qualidade cinematográfica – vide os maiores sucessos de bilheterias da atualidade. Ou seja, não é “O Iluminado” um filme que envelheceu muito, mas também não podemos afirmar que o cinema feito hoje seja totalmente desqualificado, contudo, ambos divergem na concepção e na demanda do público. E ainda há a questão da industria cinematográfica que sempre vai preferir fazer filmes com possibilidade certa de lucro a apostar em obras alternativas.

Diante de tantos fatores, é uma surpresa que a sequência desse filme realmente saia do papel, contudo, a nova onda de adaptações de obras de Stephen King pode ter papel fundamental neste ponto – obras essas que foram feitas muito em visão do lucro. Sendo assim, agora temos um desfecho para mais uma criação do mestre do terro, em “Doutor Sono” .

Advertisement. Scroll to continue reading.

Com a direção e roteiro de Mike Flanagan (da excelente série “A Maldição da Residência Hill”) o novo longa trata de se integrar logo de início com o anterior. Contudo, a fase inicial se mostra confusa para aqueles que são leigos a história do de originem. Mas, no decorrer do filme, “Doutor Sono” ganha independência, e se auto explica sem precisar explicitar fatos passados em diálogos para ser entendido, conseguindo através de um roteiro inteligente prender a atenção de todo o público, em uma experiência cinematográfica de excelência. Além disso, não é exagero afirma que o filme desperta o interesse pela obra original ao mostrar pouco, e, da mesma forma, desperta interesse pelos livros de Stephen King, por situar um universo rico de fatos e peças – ou seja, fica claro que cabem mais histórias nesse universo.

É bom salientar que o filme traz momentos fortes (pesados para quem não possuí afinidade com filmes violentos). Entretanto, a violência tem o motivo de ser e por isso o longa deixa claro a necessidade de tais de tais passagem, tornando-as compreensíveis. E isso demostra também coragem ao retratar coisas que qualquer outra produção menos confiante facilmente cortaria ou “maquiaria” na forma de fazer.

Imagem: Divulgação/Warner Bros. Entertainment

Assim como o original, este longa é extremamente dependente da trilha sonora e consegue utiliza-la muito bem. Não trata-se de uma trilha que emana sustos ou imprime o terror de forma supérflua, aqui a trilha é usada a todo momento em dosagens e passagens certas, seja quando quer trazer a nostalgia, quando quer transparecer alguma tensão ou simplesmente compor cenas aleatória, há sempre uma boa melodia pra se ouvir e que são fundamentais para integrar o expectador aos acontecimentos do filme.

Enquanto isso, o elenco do filme mostrou-se coeso com cada personagem do longa, embora que as atuações não tenham sido brilhantes, elas satisfizeram o que o direção pretendeu no filme. E o destaque maior vai para o trio de protagonistas Ewan McGregor (Dan Torrance), Rebecca Ferguson (Rosethe Hat) e Kyliegh Curran (Abra Stone), esta ultima, uma jovem  promessa e grande surpresa durante o filme. Nem vilões, como a personagem de Rebecca ou mocinhos como o personagem de Mc Gregor precisaram de esteriótipos, longe disso, o longa entrega personagens com nuances e motivações cada quais com suas características bem construídas.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Dessa forma, posso salientar aqui, que o desfecho entregue em “Doutor Sono” é muito satisfatório e pode ser compreendido, e mais que um filme bem feito, e um longa de terror sem apelos comuns. Além disso consegue conversar cinematograficamente com duas gerações, O único ponto a questionar são algumas cenas um tanto arrastadas, a maior parte dessas, se apegam em mostrar detalhes. E para você que não conhece o longa original é de bom grado pesquisar um pouco sobre ou tentar assisti-lo. Dessa forma, provavelmente, você ficará menos perdido nos minutos iniciais de “Doutor Sono” e compreenderá melhor o filme como um todo.


Imagem e vídeo: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating3 Votes
8.7
8
Written By

Cursando Produção Cultural atualmente, sempre foi apaixonado por cinema e decidiu que de alguma forma trabalharia com isso. Tendo como inspiração Steven Spielberg e suas histórias que marcaram gerações, escreve, assiste, lê e aprende, para um dia produzir coisas tão grandes e que inspirem pessoas como um dia ele o inspirou.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Vermelha ou Azul? A Warner liberou um teaser de “Matrix Resurrections“ onde pede para você escolher uma pílula. O video em si é bem curtinho...

Filmes

Papo acontecerá dentro da 16ª Edição do Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro As Lives de Cinema do Projeto de Extensão Aruandando no Campus estão...

Crítica

James Gunn sabe muito bem como trabalhar da forma mais galhofa e genial possível qualquer que seja a estória. É inegável que o trabalho...

Crítica

Depois das acaloradas críticas negativas recebidas pelo “Esquadrão Suicida” de 2016, a Warner Bros. decidiu reiniciar o universo do grupo de vilões, mas mantendo...

Advertisement