Convivência Hollywoodiana

Depois de quatro anos, Entourage volta a cena mostrando o que há de melhor na vida hollywoodiana das celebridades de plantão. Nesse caso, as mordomias e loucuras do superastro Vicent Chase e seu círculo de amizade que, juntos, enfrentam qualquer situação que a cidade dos anjos possa lhes oferecer.

Foram necessárias 8 temporadas para contar a divertida e, porque não, complicada, ascensão dos jovens que vieram do Queens, Nova York, para Hollywood viver o sonho de fazer parte do mundo do cinema. Durante todo esse período a série passou por altos e baixos, ganhando um final simples porém bem significativo para muitos fãs. Contudo, Doug Ellin (Criador da série) e Mark Wahlberg (produtor executivo) acharam necessário criar um encerramento mais interessante e chamativo para a história.

O filme começa alguns anos depois de onde parou o ultimo episódio da serie, nos possibilitando ver a vida das personagens um pouco mais alavancada (com exceção de Drama, irmão de Vincent, que ainda luta por uma grande chance), ou seja: eles estão mais “poderosos”. Vince Chase tornou-se um superastro; E. Murphy possui mais reconhecimento por seu trabalho de empresário e vai ser pai; Turtle ganhou dinheiro investindo em sua empresa de tequila, a Avión; e Ari Gold passou a fazer parte do alto corpo de executivos de um estúdio. Porém, a coisa se complica quando Ary investe seu “bom” nome em Vince (seu garoto artista de ouro) para ele poder participar de um novo filme, mas o mesmo pretende alçar voos ainda maiores arriscando-se, dessa vez, como diretor.

“A sorte está lançada” numa história bastante divertida, contudo fraca! Pois, na tentativa de amarrar demais o roteiro, o filme perde o fôlego quando se trata de conteúdo. Talvez, esse, seja o ponto mais baixo da produção, uma vez que a série nos proporcionava diálogos mais ricos e inteligentes, fornecendo um tom cômico na medida certa (levado para o lado mais irônico do humor) sem perder o toque de drama. O que não o caso do filme que possui cenas clichês que parecem ter sido retiradas de um filme de comédia adolescente soando, muitas vezes, forçadas. Além disso, a versão parece ter sido destinada somente aos fãs da série e falha ao não apresentar as personagens a um possível novo público.

Doug Ellin estreia como diretor de cinema e não erra, em demasia, ao tentar fechar a história de sua própria criação. Embora trabalhe planos bem televisivos em alguns momentos, fornecendo cenas rápidas que são empurradas garganta abaixo, o filme ainda possui pontos positivos ao trabalhar uma paleta de cores plausível para a narrativa e outros ótimos e modernos enquadramentos.

Com uma produção rica em detalhes o filme ganha, nesse quesito, em relação a série! Porém, pelo fato de ser um filme, o investimento é ainda maior e, isso, permite a possibilidade de uma direção de arte melhor com cenários e ambientações mais realistas, fugindo o máximo do tipo estúdio de tv.

O elenco principal volta completo com a perfeita química de antes, ensejando uma sincronia que nos deixa extasiados. Com destaque para o maravilhoso Jeremy Piven, interprete do excelente Ari Gold, o agente que faz tudo para conseguir o que quer. O ator é magistral em sua interpretação e merecia ser visto mais vezes no cinema. O mesmo digo para Kevin Dillon, o Johnny Drama, que nos diverte e emociona na pele do ator que já foi famoso um dia e agora vive as custas do irmão mais novo que cresce na mesma profissão. É impossível não torcer por ele durante toda série e também no filme.

Com lindas paisagens e a visão dos melhores lugares da cidade do cinema, Entourage – Fama e Amizade, apesar dos pesares, nos delicia e emociona com o retorno dessa trupe que ainda tem muito o que contar.


Imagens e Vídeo: Divulgação/Warner Bros. Pictures


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Daniel Gravelli

Daniel Gravelli é um brazuca que parle français e roda uns filmes por aí. Apaixonado pelos universos da escrita e da atuação, tem um caso com o teatro e morre de amores pelo cinema. Fotógrafo e crítico nas horas vagas, gosta de cozinhar, apreciar um bom vinho e trocar ideias interessantes.

Previous Entrevistando William Vita
Next Pulp! com Helga Nemeczyk

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close