Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Terremoto

Imagem: Divulgação/ California Filmes

Imagem: Divulgação/ California Filmes

Em tempos de mudanças climáticas, uma das coisas que mais assustam as pessoas é a força da natureza. Por isso, se nas telas do cinema a destruição do planeta já foi de responsabilidade de alienígenas, guerras nucleares e vírus mortais, agora é a vez dos desastres naturais tomarem a dianteira, pelo menos por hora. Sucessos como “Terremoto: A Falha de San Andreas” – que teve uma sequência anunciada – comprovam a predileção do público por esse tipo de produção. Notando isso, era de se esperar filmes-catástrofe aos montes depois do polpudo retorno financeiro do filme de Dwayne Johnson, principalmente saídos de Hollywood. Bem, para surpresa de muitos, é da Noruega que vem o mais novo exemplar desse subgênero com “Terremoto”, e não da poderosa indústria de cinema norte-americana.

No entanto, não vir de Hollywood não significa não parecer com o que sai de lá, o que transforma a obra dirigida por John Andreas Andersen em mais um produto criado para entreter de forma espetaculosa, por mais que o roteiro de John Kåre Raake e Harald Rosenløw-Eeg tente inserir momentos dramáticos em certos pontos, principalmente no primeiro ato onde o geólogo Kristian Eikjord (Kristoffer Joner) tenta superar seu transtorno pós-traumático para se reconectar aos entes queridos. A condição mental do homem é causada por um terremoto que quase o matou no passado, mas o evento não é detalhado pelo roteiro, só é esclarecido que Kristian conseguiu salvar muitas pessoas, inclusive sua família, se tornando um herói nacional.

Imagem: Divulgação/ California Filmes

Como um herói falho – não um super-herói ao estilo The Rock – ele cometerá alguns erros que colocarão em risco a sua vida e as vidas de sua esposa e filhos, após um monstruoso novo tremor transformar a cidade de Oslo em ruínas. O protagonista sabe que aconteceu algo parecido em 1904 devido às reportagens dos jornais da época, o que o deixa mais aterrorizado com o que está por vir (realmente houve esse terremoto, de onde veio a ideia do filme. Afinal, se aconteceu antes, vai acontecer de novo). O desenvolvimento inicial do personagem  é importante para que o espectador tema por sua vida quando prédios começarem a desabar sobre sua cabeça, o problema é que o ato final conta com uma confecção de ação tão clichê que fica logo claro como será a conclusão da história (lembre-se: tudo é inspirado nos filmes-catástrofe estadunidenses).

A incapacidade da direção e do texto de serem inventivos é decepcionante. Decisões preguiçosas envolvendo vidros se quebrando e quedas de elevadores dão aquela sensação desconfortável de déjà-vu. Com isso, grande parte do impacto pretendido pelos realizadores se perde, mesmo que alguns personagens morram de forma terrível. O que sobra é apenas entretenimento descompromissado – que se aproveita de efeitos visuais excelentes, usados na medida certa, sem exageros – vindo de uma cinematografia que não está acostumada a lançar esse tipo de filme. A aparente falta de familiaridade pode ter influenciado no resultado, mas isso não significa que a tentativa de fazer algo comercial com sangue europeu seja inválida ou descartável, só é necessário um pouco mais de coragem.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Vídeo e Imagens: Divulgação/ California Filmes

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Crítica

Em 1982, Tom Cruise pilotou caças F14 supervelozes no clássico pop “Top Gun”. Em 2022, Tom Cruise pilota caças F18 hiper velozes no aguardado...

Filmes

Deixando de lado musicais e filmes sobre dança, por motivos óbvios: eles não existiriam se as músicas não fossem 2/3 do mais importante em...

Filmes

Os anos 90 foram marcados por diversos clássicos que fazem sucesso até hoje Nada melhor para alimentar nossa nostalgia do que falar de filmes...

Listas

A lista seria maior, mas vários livros que poderiam estar aqui estão fora de catálogo Uma grande parte dos cinéfilos sonha em fazer seus...

Advertisement