Evento terminou no último domingo (08/09), e deixou um legado
importante para o futuro

A XIX Bienal Internacional do Livro terminou e como sempre, estimulou debates, divulgou cultura e inegavelmente contribuiu para a promoção da leitura e da educação. Ao longo de dez dias, passaram por lá autores consagrados, artistas, youtubers e muito mais. Além disso, jovens escritores e um público animado também podem ser considerados pontos altos dessa festa. Confira a seguir os destaques que a Woo! Magazine separou para você:

Fórum de Educação

Realizado nos dias 2 e 3 de setembro, o fórum reuniu diversos especialistas para discutir assuntos ligados à educação, com foco no professor. A programação contou com nomes consagrados como a escritora Ana Maria Machado, o coreano Haenim Sunim, o educador português José Pacheco, a jornalista e influenciadora digital Rosana Herman,  o atleta olímpico e empreendedor educacional Flavio Canto, a jornalista, pedagoga e ludóloga Carolina Sanches, entre outros.

Pavilhão dedicado ao público infanto-juvenil

Imagem: Divulgação/Bienal do Livro (Créditos: Danilo Andrade)

Pela primeira vez, os pequenos tiveram um pavilhão inteiro dedicado à eles. Assim, o Pavilhão Laranja reuniu grandes expositores do segmento como a Estrela Cultural, por exemplo. Além disso, A Bienal do Livro montou uma área cenográfica de mais 500 metros quadrados, a Pela Estrada a Fora. O espaço foi uma espécie de labirinto sensorial, além de ser palco de atividades lúdicas, como a contação de historias.

Arena #SemFiltro

Imagem: Divulgação/Bienal Internacional do Livro (Crédito: Woo! Magazine/Amanda Moura)

A Arena #SemFiltro promoveu rodas de conversas sobre os mais variados temas. Espiritualidade, educação, música e diversos outros temas foram tratados no espaço, sempre de forma mais informal, de tal forma que aproximava bastante os integrantes das mesas com o público. Entre os destaques da programação, a roda de conversa sobre a história da extinta rádio Fluminense FM, que vai virar filme.

Café Literário

Imagem: Divulgação/Bienal Internacional do Livro (Crédito: Woo! Magazine/Amanda Moura)

A proposta desse espaço é reunir especialistas em determinado assunto de grande relevância social. O público pôde ainda saborear um café durante as palestras. Ao final do encontro, o público encaminha por escrito suas questões aos especialistas. Com toda certeza, foi um dos pontos altos da programação do evento. A Woo! Magazine acompanhou, por exemplo, a discussão sobre fake news, realizada na sexta-feira, 06.

Visitação Escolar

Entre as coisas mais tradicionais da Bienal do Livro, está a visitação escolar. Para os alunos, é uma grande oportunidade de entrar em contato com literatura e cultura, além de descolar um autógrafo de alguma atração convidada. Para as escolas, uma oportunidade de estimular o hábito da leitura. Nessa edição do evento, os estudantes da rede pública tiveram uma série de vantagens e descontos, que certamente contribuirá muito para a formação desses jovens.

Influenciadores Digitais

O evento contou com a presença de vários influenciadores digitais, que receberam seus fãs para disputadas sessões de fotos e autógrafos. Luara Fonseca, Luccas Neto e Enaldinho estão entre os influencers que agitaram o público mais teen do evento. Aliás, você pode conferir aqui a entrevista que fizemos com Enaldinho durante a Bienal do Livro.

Incentivo a novas editoras e autores independentes

Além de nomes já consagrados do mercado editorial brasileiro, a Bienal do Livro abriu um grande espaço para editoras menores e até mesmo escritores e escritoras autopublicados, com o apoio da Amazon. Em 2019, eles contaram com espaços específicos e mais organizados como por exemplo, o Boulevard do Livro.

Tecnologia

Imagem: Divulgação/Bienal Internacional do Livro (Crédito: Woo! Magazine/Amanda Moura)

As empresas de tecnologia também marcaram presença no evento. Gigantes do segmento como Microsoft e Amazon deram uma amostra do quão positivo é a união entre livros, educação e tecnologia. Enquanto a Microsoft ofereceu oficinas educativas para os jovens, a Amazon.com debateu a chegada dos formatos digitais ao mercado, entre outras questões.

Tentativa de censura

Imagem: Reprodução/Marvel Comics/Editorial Salvat

Pela primeira vez em sua história, a Bienal do Livro sofreu ameaça de censura pela Prefeitura do Rio de Janeiro. O alvo foi a HQ da MarvelVingadores: A Cruzada das Crianças que supostamente continha conteúdo impróprio para menores. Entretanto, a HQ é direcionada ao público adulto e o suposto conteúdo impróprio era apenas um beijo homoafetivo entre dois personagens devidamente vestidos. Teve início, então, uma sequência de liminares até que no domingo (08/09), o caso chegou ao STF que proibiu qualquer tipo de censura ao material. Nesse ínterim, público, artistas e autores se posicionaram contra a censura. O ponto alto desse acontecimento foi, sem dúvida, a distribuição gratuita para o público da Bienal de 14 mil exemplares da HQ comprados pelo influenciador Felipe Neto.

Diversidade em foco

Apesar da tentativa de censura, a diversidade marcou presença na Bienal do Livro. Entre as várias atividades sobre o tema, a Arena #SemFiltro recebeu no sábado (07/09) duas importantes rodas de conversa. A primeira foi sobre igualdade de gênero, mediada por Claudia Sardinha com a presença dos convidados: Ellora, Mel Duarte, Spartakus e Jarid Arraes. Em seguida, Felipe Cabral recebeu Lucas Rocha, Vitor Martins, Igor Pires, Thati Machado, Vinicius Grossos e Pedro HMC para debater a literatura arco-íris. No final, testemunhamos que a democracia sai fortalecida da Bienal do Livro 2019.