O Oscar é domingo (9), às 22h no horário de Brasília.

A premiação mais importante do cinema norte-americano acontecerá no próximo domingo. Para facilitar sua vida, reunimos todas a críticas que fizemos dos filmes concorrentes, em várias categorias. Basta clicar no titulo do filme para ser direcionado à crítica.

 

1917 (Dirigido por Sam Mendes) – Crítica:  João de Queiroz

Imagem: Divulgação/Universal Pictures

O Filme de Guerra filmado em plano-sequência recebeu dez indicações, incluindo “melhor filme” e “melhor diretor”.

 

Jojo Rabbit (Dirigido por Taika Watiti) – Crítica: Mauro Machado

Imagem: Divulgação/Fox

A sátira sobre o nazismo recebeu cinco indicações, incluindo “melhor filme” e “melhor roteiro adaptado”.

 

Adoráveis Mulheres (Dirigido por Greta Gerwig) – Crítica: João de Queiroz

 

Imagem: Divulgação/Sony Pictures

Faltou “melhor direção” para Gerwig, mas, pelo menos, foi indicado a “melhor roteiro adaptado”, “melhor atriz” e “melhor atriz coadjuvante”.

O Irlandês (Dirigido por Martin Scorsese) – Crítica: Mauro Machado

Imagem: Divulgação/Netflix

A produção da Netflix conseguiu dez indicações, mas parece que não possui muitas chances de levar o de melhor filme.

 

Ford vs Ferrari (Dirigido por James Mangold) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Imagem: Divulgação/20th Century Fox

O filme de corrida teve quatro indicações, sendo “melhor filme” e “melhor ator” os destaques.

 

Parasita (Dirigido por Bong Joon-ho) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Segunda Crítica: Mauro Machado

Imagem: Divulgação/Pandora Filmes

A fenomenal obra coreana pode fazer história se ganhar o Oscar de melhor filme. Há ainda mais cinco indicações, incluindo “melhor diretor” para Bong Joon-ho.

 

Coringa (Dirigido por Todd Phillips) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Segunda Crítica: João de Queiroz

O grande vilão dos quadrinhos agora está no Oscar. São impressionantes onze indicações, com destaque para as de melhor Filme, melhor ator e melhor roteiro adaptado.

 

Era Uma Vez em Hollywood (Dirigido por Quentin Tarantino) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Segunda Crítica: Kaye Salles

Onde upon a time in Hollywood
Imagem: Divulgação/Sony Pictures

Talvez, este seja o último filme de Tarantino, o que faria ele encerrar a carreira com chave de ouro se ganhasse o Oscar de Melhor Filme. São mais nove indicações.

 

Entre Facas e Segredos (Rian Johnson) – Crítica: João de Queiroz

Imagem: Divulgação/Paris Filmes

Rian Johnson mandou bem mais uma vez e recebeu a indicação de melhor roteiro original.

 

Indústria Americana (Dirigido por Steven Bognar e Julia Reichert) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Imagem: Divulgação/Netflix

Indicado a melhor documentário, é um forte concorrente para o brasileiro “Democracia em Vertigem”.

 

Honeyland (Dirigido por Tamara Kotevska e Ljubomir Stefanov) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Da Macedônia vem esse documentário indicado ao Oscar. Também indicado a melhor filme internacional.

 

Os Miseráveis (Dirigido por Ladj Ly) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Imagem: Divulgação/Diamond Films

Filme francês indicado a melhor filme internacional

 

Dor e Glória (Dirigido por Pedro Almodóvar) – Crítica: João de Queiroz

Um filme de Almodóvar justamente indicado para melhor filme internacional. Ainda sobrou uma indicação de melhor ator para Antonio Banderas.

 

Um Lindo Dia Na Vizinhança (Dirigido por Marielle Heller) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Imagem: Divulgação/Sony Pictures Brasil

Mais uma indicação para o grande Tom Hanks, dessa vez para melhor ator coadjuvante.

 

Judy – Muito Além do Arco-Íris (Dirigido por Rupert Goold) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Imagem: Divulgação/Paris Filmes

Renée Zellweger provavelmente receberá o Oscar de melhor atriz por sua fabulosa interpretação de Judy Garland

 

O Escândalo (Dirigido por Jay Roach) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Imagem: Divulgação/Lionsgate/Paris Filmes

Recebeu indicações de melhor atriz para Charlize Theron e melhor atriz coadjuvante para Margot Robbie. Merecidas!!

 

O Caso Richard Jewell (Dirigido por Clint Eastwood) – Crítica: Mauro Machado

Segunda Crítica: João de Queiroz

A grande Kathy Bathes conseguiu uma indicação a melhor atriz coadjuvante por seu papel no filme

 

 Star Wars – Ascensão Skywalker (Dirigido por J.J Abrams) – Crítica: Mauro Machado

Imagem: Divulgação/Walt Disney Studios/Lucas Film

Como se esperava, o último capítulo da saga foi indicado a melhores efeitos visuais e melhor edição de som.

 

Vingadores: Ultimato (Dirigido por Anthony e Joe Russo) – Crítica: Deivid R. Purificação

Imagem: Divulgação/Marvel/Walt Disney Studios

Melhores efeitos visuais foi a indicação que sobrou para o filme da Marvel

 

Rei Leão (Dirigido por Jon Favreau) – Crítica: Kaye Salles

Foto: Divulgação/Walt Disney Studios

Todos esperavam que seria indicado para melhor animação, mas seu aspecto realista ficou com a indicação de melhores efeitos visuais.

 

Toy Story 4 (Dirigido por Josh Cooley) – Crítica: João de Queiroz

Imagem: Divulgação/Walt Disney Studios

Mais uma vez a Pixar consegue uma indicação para melhor animação

 

Frozen 2 (Dirigido por Jennifer Lee e Chris Buck) – Crítica: João de Queiroz

Imagem: Divulgação/Walt Disney Studios

Não veio a indicação para melhor animação, mas veio para a de melhor canção original.

 

Rocketman (Dirigido por Dexter Fletcher) – Crítica: Rodrigo Chinchio

Imagem: Divulgação/Paramount Pictures

Rocketman não conseguiu levar seu protagonista ao Oscar, mas está presente na categoria de melhor canção original.

 

Malévola – Dona do Mal (Dirigido por Joachim Rønning) – Crítica: Dan Andrade

Imagem: Divulgação/Walt Disney Studios

Apenas uma indicação: melhor maquiagem

 

Ad Astra – Rumo às Estrelas (Dirigido por James Gray) – Crítica: João de Queiroz

Segunda Crítica: Rodrigo Chnchio

Imagem: Divulgação/Fox Film do Brasil

Eram aguardadas algumas indicações para o drama espacial de James Gray, mas ele teve que se contentar com a indicação de melhor mixagem de som.

 

O Farol (Dirigido por Robert Eggers) – Crítico: Rodrigo Qunquio

Segunda Crítica: Mauro Machado

Terceira Crítica: João de Queiroz

Esperava-se que um dos filmes mais celebrados pela crítica em 2019 ganhasse mais indicações, mas só ficou com a de melhor fotografia. Merece ganhar!

 

 


Sympla

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Rodrigo Chinchio

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

Previous Criadores do Youtube se preparam para a maior festa do cinema
Next Resenha: Os filhos do Capitão Grant, de Júlio Verne

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close